Autor Tópico: Amor Cortês: Tristão e Isolda, Romeu e Julieta (2008)  (Lido 824 vezes)

0 Membros e 1 visitante estão a ver este tópico.

pp1058

  • br

  • Registo: 23 Jun, 2011
  • Membro: 22299
  • Mensagens: 475
  • Tópicos: 236

  • : 0
  • : 0

Amor Cortês: Tristão e Isolda, Romeu e Julieta (2008)
« em: Segunda, 14 de Outubro, 2013 - 22h12 »
Amor Cortês: Tristão e Isolda, Romeu e Julieta



[imdb]

Citar
Segundo Raul Gouveia, é com a poesia dos trovadores, no século XII, que nasce uma nova concepção do amor – o amor cortês – um refinamento dos costumes que se desenvolveu nas cortes dos reis e dos grandes senhores da Europa na época, onde a mulher era considerada fonte inspiradora dos bons costumes. De acordo com as palavras do professor, Ovídio em A Arte de Amar entende o amor sobretudo como desejo de posse física. Já para Platão, o amor é uma força que deve nos orientar pra contemplação do belo em si. O próprio mito Tristão e Isolda faz uma alusão de como o amor e a morte podem estar relacionados.

Raul Gouveia Fernandes: mestre e doutor em literatura portuguesa pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, é autor de Reflexões sobre o Estudo da Idade Média e de Amor e Cortesia na Literatura Medieval.




"O que nós queremos, o que não gostamos, o que pensamos, o que sentimos: tudo é impermanente. As palavras de elogios ou críticas são impermanentes. Todas vêm e vão. Se entendermos isso, não vamos ficar tão desorientados com os dramas da vida cotidiana."
Chagdud Tulku Rinpoche