Autor Tópico: Portugal excluiu governadores em 2011 - Notícia  (Lido 79 vezes)

0 Membros e 1 visitante estão a ver este tópico.

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 1 370
  • Tópicos: 386

  • : 72
  • : 32

Portugal excluiu governadores em 2011 - Notícia
« em: Quinta, 16 de Setembro, 2021 - 18h07 »
"Mas há quem advirta para o problema político: não se sabe quem assumirá a coordenação política de todas as entidades (polícias, bombeiros, emergência médica e outras) que integram a protecção civil."

"Ninguém vai dar conta de que acabaram os governos civis (4 de Julho de 2011)


https://www.publico.pt/2011/07/04/jornal/ninguem-vai-dar-conta-de-que-acabaram-os--governos-civis-22410928


Resumo da ópera os "governadores civis" (dos distritos) eram indicados pelo primeiro ministro de Portugal sem eleição direta (antidemocrático) e foram excluídos sumariamente pelo então primeiro ministro José Sócrates, alguns consideram isso um ato inconstitucional até hoje pois não foi reparado, mas sem dúvida é uma excelente discussão jurídica, extinguir um cargo antidemocrático é errado? Com certeza existem parágrafos na lei da República Portuguesa que impedissem esses cargos com essa característica mas não reparar a situação é que é realmente pior, evitando a concorrência política e centrando todas as atenções no primeiro ministro, algo que os ditadores adoram.

Bônus 1:

"O último governador civil de Lisboa, António Galamba (PS), afirmou hoje que “não há nada no passado do Governo Civil que justifique qualquer ação atual” da Câmara de Lisboa relativamente ao envio de dados pessoais de manifestantes às embaixadas (colaboração com a embaixada da Rússia)." (18.06.2021)

https://visao.sapo.pt/atualidade/sociedade/2021-06-18-cml-russia-ex-governador-civil-diz-que-nao-ha-nada-no-passado-que-justique-pratica-atual/

"O presidente da Câmara de Lisboa diz que a autarquia “seguiu de perto” a prática dos governos civis no que diz respeito à comunicação de dados de organizadores de manifestações. Mas o último governador civil de Lisboa, António Galamba, garante que "não há nada no passado do Governo Civil que justifique qualquer ação atual" da câmara municipal."

https://pt.euronews.com/2021/06/18/auditoria-da-camara-de-lisboa-confirma-falhas

Bônus 2:




"A vitória depende mais da vontade de se preparar do que da vontade de vencer!"