Autor Tópico: Simone Tebet e a terceira via "crucis" do eleitor brasileiro. - Texto  (Lido 68 vezes)

0 Membros e 1 visitante estão a ver este tópico.

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 1 714
  • Tópicos: 489

  • : 85
  • : 34

Simone Tebet e a terceira via "crucis" do eleitor brasileiro. - Texto
« em: Segunda, 30 de Maio, 2022 - 20h12 »
A estratégia de batalha chamada dividir para conquistar segundo a wikipedia tem como definição: "Em política e sociologia, dividir para conquistar (ou dividir para reinar), consiste em ganhar o controle de um lugar através da fragmentação das maiores concentrações de poder, impedindo que se mantenham individualmente. Esse conceito foi utilizado pelo governante romano César (divide et impera), Filipe II da Macedónia e imperador francês Napoleão (divide ut regnes)."

Qualquer companheiro do movimento estudantil no seu primeiro ano de Biblioteconomia entende esse tipo de conceito, analisar a situação entre a direita e a esquerda e ver qual o potencial de vitória nas eleições, o Brasil dividido e o eleitor carregando a grande cruz entre escolher Lula ou Bolsonaro, o bebê de rosemary (dilma) e o zumbi profeta cachorro morto. Todos esperando a terceira via se definir e apresentar seu nome viável para diminuir o tormento que invade até os sonos alheios, virando pesadelos ... e aí o estudante analisa e diz "a vitória caiu no colo da terceira via, é só não fazerem burradas ...", e então a candidata que pode realmente ser essa alternativa quase que comparável com escolher entre belzebu ou lúcifer, ou a volta de cristo, ela não aproveita a situação e escolhe a tática da "união", uma tática só usada pelos políticos depois que eles vencem e declaram com ânsia de vômito que querem a "união do país, e governar para todos, até os fedidos da oposição ...". mas isso nunca é feito antes da eleição.

Simone Tebet domingo 29/05/2022 postou em seu twitter: "O país clama por união. Fundamental valorizar e construir o que nos une ao invés de ficar focado naquilo que nos separa. Endosso e parabenizo as autoras deste importante texto, que descreve, com precisão, o que estamos vivendo. Somente juntos, poderemos reconstruir o Brasil!" e anexando um texto do jornal Estadão com título "O que nos une".

Não seria erro nenhum continuar deixando bolsonaristas e lulistas se engalfinharem até restarem poucos, os mesmos poucos que Simone Tebet tem nas pesquisas de votos, como tentar unir todos e depois enfrentar todos com 2% das intenções de votos? Eles não tem controle nem dentro de casa, imagina do país, não sabem o que fazem, "pai perdoa pois eles não sabem o que fazem", mas na estrutura democrática, eles têm o direito de não se unirem e brigarem até o fim ... e o povo já tem seus problemas, sua terceira via "crucis" diária, para entrarem nesse discurso paz e amor piegas.

Mais uma que já perdeu sem nem entrar na disputa (adeus João Dória), o primeiro derrotado é aquele que não entra na batalha, pois só é possível ser vencedor se você for batalhar, ficar de braço cruzado dizendo "não me envolvo nisso", "paz e amor", e se sentindo o vitorioso que espera tudo cair do céu, não adianta.

assinado: feliphex, analista político enviado especial do Quirguistão.







"A vitória depende mais da vontade de se preparar do que da vontade de vencer!"