Autor Tópico: Eleição presidencial nos EUA - Notícias  (Lido 1048 vezes)

0 Membros e 1 visitante estão a ver este tópico.

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« em: Sábado, 30 de Dezembro, 2023 - 15h49 »
vou usar esse tópico para postar notícias referentes a campanha e eleição presidencial nos EUA - 2024





Risco de caos eleitoral nos EUA aumenta após Maine tirar Trump das urnas
Estado foi o 2º a decidir que o ex-presidente ficará de fora do pleito. Pesa contra ele os atos praticados por seus apoiadores no Capitólio, em 2021

Stephen Collinson da CNN
29/12/2023

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/riscos-de-caos-eleitoral-nos-eua-aumentam-apos-maine-tirar-trump-das-urnas/
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #1 em: Domingo, 31 de Dezembro, 2023 - 15h45 »
Terceira via pode decidir eleições de 2024 nos Estados Unidos
Candidatura independente de Robert Kennedy Jr. vem preocupando a campanha de Joe Biden

Pedro Paiva
Brasil de Fato | Nova York (EUA) | 20 de dezembro de 2023

https://www.brasildefato.com.br/2023/12/20/terceira-via-pode-decidir-eleicoes-de-2024-nos-estados-unidos
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #2 em: Quarta, 10 de Janeiro, 2024 - 21h48 »
Impedir retorno de Trump ao poder é foco da campanha de Biden

Em meio a baixa popularidade, presidente americano já disse que não sabe se tentaria reeleição caso Trump não estivesse na disputa

Mariana Janjácomo da CNN
10/01/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/impedir-retorno-de-trump-ao-poder-e-foco-da-campanha-de-biden/



Trump usa favoritismo para ficar de fora de debates do partido Republicano

Ex-presidente considera que tem desempenho melhor do que os outros pré-candidatos e avalia participações como desnecessárias

Mariana Janjácomo da CNN Nova York
10/01/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/trump-usa-favoritismo-para-ficar-de-fora-de-debates-do-partido-republicano/



Análise: Por que rivais republicanos de Trump não ousam atingir seu ponto fraco

Embora 55% dos americanos pensam que a invasão do Capitólio é ataque à democracia que nunca deve ser esquecido, 72% dos republicanos acham que é hora de seguir em frente

Stephen Collinson da CNN
10/01/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/analise-por-que-rivais-republicanos-de-trump-nao-ousam-atingir-seu-ponto-fraco/

« Última modificação: Quarta, 10 de Janeiro, 2024 - 21h50 por feliphex »
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #3 em: Sexta, 15 de Março, 2024 - 18h41 »
I Listened to Trump’s Rambling, Unhinged, Vituperative Georgia Rally—and So Should You

The ex-President is building a whole new edifice of lies for 2024.

Eu ouvi o comício incoerente, desequilibrado e injurioso de Trump na Geórgia - e você também deveria

O ex-presidente está construindo um novo edifício de mentiras para 2024.

By Susan B. Glasser

14 de março, 2024

(tradução by feliphex)

link original => https://www.newyorker.com/news/letter-from-bidens-washington/i-listened-to-trumps-rambling-unhinged-vituperative-georgia-rally-and-so-should-you

Tenho certeza de que você tinha coisas melhores para fazer no sábado à noite do que assistir Donald Trump discursar por quase duas horas para uma plateia de torcedores em Roma, Geórgia. Seu discurso foi incoerente, desequilibrado, injurioso e tão revelador. No seu primeiro comício desde que conquistou efetivamente a nomeação presidencial republicana, Trump deu o que equivaleu à sua resposta ao discurso sobre o Estado da União de Joe Biden. É difícil imaginar um contraste melhor ou mais nítido com a visão que, dois dias antes, o Presidente tinha apresentado para a América.

E no entanto, como muitas outras coisas na campanha de Trump para 2024, este discurso insano foi largamente ignorado e mal encoberto, a enxurrada de mentiras e besteiras vistas como notícias antigas de um candidato cujo maior sucesso político foi acostumar uma grande parte da população à sua realidade alternativa cada vez mais perigosa. Não admira que Biden, preso num mundo real de problemas reais que desafiam soluções fáceis, esteja a lutar para o derrotar.

Isto é parcialmente um erro de categoria. Embora persistamos em tratar as eleições de 2024 como uma corrida entre um titular e um desafiante, não se trata apenas de uma disputa entre dois titulares: Biden, o atual Presidente, e Trump, o eterno Presidente dos sonhos febris da América Vermelha. Mas Trump, embora se apresente como o líder legítimo do país, não recebe nada como o intenso escrutínio dos seus discursos que agora se concentra no atual ocupante da Sala Oval. As normas e tradições que Trump pretende destruir estão, mais uma vez, a beneficiá-lo.

Consideremos a enorme escalada antes e a cobertura completa do discurso anual de Biden ao Congresso. Foi uma grande notícia quando o Presidente chamou o seu oponente em termos invulgarmente contundentes, referindo-se treze vezes no seu texto preparado ao “meu antecessor”, no que foi, compreensivelmente, visto como uma ruptura com a tradição. Os comentadores republicanos queixaram-se do tom fortemente partidário das observações do Presidente e do alto decibel com que as proferiu; Os democratas celebraram essencialmente essas mesmas qualidades.

Imagine se, em vez disso, os dois discursos tivessem sido abordados lado a lado. As referências farpadas de Biden a Trump diziam respeito às ofensas do ex-presidente à democracia americana. Ele chamou a campanha de Trump de “ressentimento, vingança e retribuição” em 2024 e o “caos” desencadeado pela Suprema Corte, com maioria Trump, quando descartou o precedente de décadas de Roe v. Wade em referência a uma citação recente do ex-presidente, na qual Trump sugeriu que os americanos deveriam simplesmente “superar isso” quando se trata de violência armada, Biden respondeu: “Eu digo: parem com isso, parem com isso, parem com isso!” As suas palavras mais duras para Trump vieram em resposta ao convite público do ex-presidente à Rússia para fazer “tudo o que quiserem” aos países da NATO que não gastam o que Trump quer que gastem na defesa – uma frase que Biden condenou como “ultrajante” , “perigosa” e “inaceitável”.

O discurso de Trump fez pouco esforço para traçar contrastes substantivos com Biden. Em vez disso, o Washington Post contou quase cinco dúzias de referências a Biden durante o comício na Geórgia, quase todas epítetos retirados do manual de marketing de Trump sobre como destruir um oponente – palavras como “zangado”, “corrupto”, “ torto”, “agitado”, “incompetente”, “estúpido” e “fraco”. Trump é, sempre e para sempre, um valentão pueril, preso perpetuamente no parquinho da quinta série. Mas a política do insulto pessoal funcionou tão bem para Trump que ele está, naturalmente, a redobrar a sua aposta em 2024. Na verdade, um dos clipes do discurso de Trump no sábado que teve maior cobertura foi a sua zombaria da gagueira de Biden: um calúnia grosseira - e, sem dúvida, premeditada.

E ainda assim havia. o estrategista Karl Rove do o G.O.P (partido republicano), escrevendo esta semana no Wall Street Journal que foi Biden quem “se rebaixou com golpes míopes e contraproducentes” em seu discurso sobre o Estado da União. Toda a campanha de Trump é um estudo de calúnia grotesca, mas Rove nem sequer mencionou o comício de Trump na Geórgia, enquanto fazia comentários hipócritas sobre Biden. E não pretendo destacar Rove; foi difícil encontrar qualquer comentarista de direita que fizesse o contrário. Com tantos anos de experiência no fenômeno Trump, eles descobriram que a melhor maneira de lidar com os excessos de Trump é simplesmente fingir que eles não existem.

Pairando sobre ambos os discursos estava a questão cada vez mais candente do desempenho, uma vez que o país é agora forçado a escolher entre dois líderes idosos que aspiram a permanecer na Casa Branca até aos oitenta anos. Trump sem dúvida baixou a fasquia para Biden, com os seus constantes insultos dirigidos à idade e capacidade do Presidente, e Biden conseguiu limpá-la, transformando o seu Estado da União numa afirmação - para os preocupantes partidários Democratas, pelo menos - de que tem o vigor e luta para continuar no trabalho.

A aparição de Trump na Geórgia, pelo contrário, refletiu um homem não enraizado em qualquer tipo de realidade, alguém que lutava para lembrar as suas palavras e que era, por qualquer definição, incoerente, desligado, e frequentemente malicioso. Num longo desvio, ele queixou-se de Biden ter sido uma vez fotografado numa praia em traje de banho. O que o levou a Cary Grant, que o levou a Michael Jackson, que o levou de volta ao ponto em que mesmo Cary Grant não ficaria bem em traje de banho aos 81 anos. Num outro aparte, ele gabou-se do quanto “as mulheres me amam”, citando como prova as “donas de casa suburbanas da Carolina do Norte” que viajam para os seus comícios por todo o país. Ele concluiu essa parte de seu discurso dizendo:

"Mas foi um fenômeno incrível e eu protejo as mulheres. Olha, eles falam sobre donas de casa suburbanas. Acredito que estou indo bem – você sabe, as pesquisas são todas fraudadas. É claro que ultimamente eles não têm sido fraudados porque estou ganhando muito, então não quero dizer isso. Desconsidere essa afirmação. Eu amo muito as enquetes."

Faz todo o sentido, certo?

Não foi nenhuma surpresa, é claro, que Trump começou seu discurso criticando Biden: “o pior presidente da história, fazendo o pior discurso do Estado da União da história”, um “discurso furioso, sombrio e cheio de ódio” que foi “ o discurso mais divisivo, partidário, radical e extremo” já proferido. Como sempre, o que realmente surpreende é a falta de autoconsciência de Trump. Lembra-se de seu discurso sobre “carnificina americana”? Bem deixa pra lá. Supere a ironia não intencional, porém, e o que é impressionante é o quanto da plataforma da campanha de Trump para 2024 está sendo construída sobre um edifício de mentiras, e não apenas as velhas e familiares mentiras sobre as “eleições fraudulentas” que figuraram com destaque em todos os discursos de Trump. fez desde sua derrota há quatro anos.

As distorções exageradas de Trump sobre o seu historico como Presidente – “a maior economia da história”; “o maior corte de impostos da história”; “Fiz mais pelos negros do que qualquer presidente, exceto Abraham Lincoln” – agora se junta um novo conjunto igualmente extravagante de inverdades sobre a presidência de Biden, que Trump retratou no discurso de sábado como uma época infernal de inflação de quase cinquenta por cento e uma economia a “colar numa fossa de ruína”, com migrantes furiosos a serem libertados das prisões de todo o mundo e autorizados a entrar nos Estados Unidos, por ordem de Biden, para assassinar, pilhar e roubar empregos de “americanos nativos”. Biden, no relato atual de Trump, é ao mesmo tempo um incompetente babão controlado por “fascistas” e um gênio criminoso corrupto, “armando” o governo dos EUA e o seu sistema de justiça criminal para perseguir o seu oponente. O slogan da sua campanha para 2024 pode ser resumido por uma das frases mais contundentes do comício: “Tudo o que Joe Biden toca vira merda. Tudo."

Na verdade, os esforços de Trump este ano para culpar Biden por literalmente tudo assumiram uma qualidade barroca, mesmo para os padrões modernos do partido que introduziu Willie Horton e Swift-boating no léxico político. Consideremos a sua mais recente causa célebre, a trágica morte recente de uma jovem, Laken Riley, na qual o acusado é um migrante sem documentos. Trump culpou explicitamente Biden e suas políticas fronteiriças de “crime contra a humanidade” pela morte dela. “Laken Riley estaria viva hoje”, disse ele, “se Joe Biden não tivesse eviscerado intencional e maliciosamente as fronteiras dos Estados Unidos e soltado milhares e milhares de criminosos perigosos em nosso país”. Contra tal traição, Trump oferece uma escolha simples e apocalíptica: o dia do juízo final se Biden for reeleito, ou a libertação “destes tiranos e vilões de uma vez por todas”. As guerras terminarão com o simples pensamento de Trump retomar o poder; o crime cessará; serão feitas prisões; dissidentes serão silenciados.

Reconheço que é difícil destilar um discurso como o que Trump proferiu na outra noite na essência exigida de uma notícia. Seus desvios no sábado incluíram reclamações sobre Jeff Zucker, Arnold Schwarzenegger, Martha Stewart, Megyn Kelly, “a grande plagiadora de Harvard”, Ron “DeSanctimonious”, o Washington Post, “o juiz perturbado de Trump” Lewis Kaplan, “o fascista e racista procurador-geral do Estado de Nova York”, “o corrupto Fani Willis”, Merrick Garland e o FBI, que afirmou Trump, “ofereceu um milhão de dólares a um escritor de ficção sobre Donald Trump para mentir e dizer que foi um fato que o laptop de Hunter Biden do inferno foi a desinformação russa.” O que ele estava falando? Não sei. O homem tem tantas queixas e tantos inimigos que é compreensivelmente, difícil mantê-los sob controle.

Mas, quer se trate de notícias no sentido convencional ou não, é mais fácil compreender a ameaça que Trump representa para a democracia americana quando a vemos por si mesmo. Pequenos clipes de sua loucura podem ser facilmente descartados como o ruído de fundo dos nossos tempos. A condenação dos seus críticos, incluindo o atual Presidente, pode soar estridente ou simplesmente partidária. A verificação dos fatos, embora terrível, nunca deteve o demagogo para quem o “Pinóquio sem fundo” foi inventado.

Na terça-feira, dias depois desta apresentação, Trump e Biden garantiram as nomeações de seus respectivos partidos. As eleições gerais já começaram e Trump, no momento em que este texto foi escrito, é o favorito. Nos próximos meses, a campanha de Biden e os seus aliados planejam gastar perto de um bilhão de dólares na tentativa de persuadir os americanos a não cometerem o erro histórico de eleger Trump duas vezes. Meu pensamento é mais simples e definitivamente mais barato: assistir seus discursos. Compartilhe-os amplamente. Não desvie o olhar.



Biden tem vantagem de 1 ponto sobre Trump, mostra pesquisa Reuters/Ipsos

14/03/2024 08h37

Por Jason Lange

https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2024/03/14/biden-tem-vantagem-de-1-ponto-sobre-trump-mostra-pesquisa-reutersipsos.htm
« Última modificação: Sexta, 15 de Março, 2024 - 18h43 por feliphex »
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #4 em: Segunda, 18 de Março, 2024 - 17h43 »
Trump diz que haverá banho de sangue se não for eleito

https://www.youtube.com/watch?v=srsUE5pL_pQ



Trump chama Biden de 'burro' e prevê 'banho de sangue' se perder eleição

17/03/2024

https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2024/03/17/trump-biden-burro-imigrantes-animais-banho-de-sangue.htm



Biden faz brincadeira sobre aptidão mental de Trump em evento em Washington

Stephanie Kelly 17 mar2024

https://www.terra.com.br/noticias/mundo/biden-faz-brincadeira-sobre-aptidao-mental-de-trump-em-evento-em-washington,85aea41a1ffdabf085de4c3dc79e9c74qms8xhz0.html
« Última modificação: Segunda, 18 de Março, 2024 - 17h48 por feliphex »
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #5 em: Terça, 19 de Março, 2024 - 18h44 »
Opinião: elogios de Trump a ditadores dá dicas sobre como pode ser seu governo

Ex-presidente supostamente acredita que até mesmo os ditadores mais assassinos, como Hitler, fizeram coisas boas

Ruth Ben-Ghiat da CNN
16/03/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/eleicoes-nos-eua-2024/opiniao-elogios-de-trump-a-ditadores-da-dicas-sobre-como-pode-ser-seu-governo/



Mike Pence diz que ‘não pode em sã consciência’ endossar Trump

Ex-vice-presidente concorreu às primárias republicanas para a indicação do partido à Casa Branca, mas abandonou a disputa em outubro do ano passado

Veronica Stracqualursi da CNN
15/03/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/eleicoes-nos-eua-2024/mike-pence-diz-que-nao-pode-em-sa-consciencia-endossar-trump/



Trump: Judeus americanos que votam nos democratas odeiam Israel

19.03.2024

https://www.voiceofeurope.com/pt/trump-judeus-americanos-que-votam-nos-democratas-odeiam-israel/
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #6 em: Quinta, 21 de Março, 2024 - 19h20 »
In on the Joke: The Comedic Trick Trump Uses to Normalize His Behavior

His supporters love it. Critics call it a sign of his autocratic tendencies.

Na piada: o truque cômico que Trump usa para normalizar seu comportamento

Seus apoiadores adoram. Os críticos chamam isso de sinal de suas tendências autocráticas.

By MICHAEL KRUSE
17/03/2024

(não vou traduzir esse artigo aqui pois é muito extenso, mas traduzam da melhor forma pois é muito bom)

https://www.politico.com/news/magazine/2024/03/17/how-donald-trump-uses-humor-to-make-the-outrageous-sound-normal-00146119



As imagens falsas criadas com IA para tentar atrair eleitores negros para Trump

4 março 2024

https://www.bbc.com/portuguese/articles/cqqwrdr32veo





Procuradoria de Nova York dá primeiro passo para confiscar bens de Donald Trump

Uma propriedade privada do empresário no norte de Manhattan, conhecida como Seven Springs, e um campo de golfe podem ser confiscados

Kara Scannell da CNN
21/03/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/procuradoria-de-nova-york-da-primeiro-passo-para-confiscar-bens-de-donald-trump/

(Dessa vez Trump tende a lutar contra os democratas aparelhados e enfurecidos e também contra os republicanos que para todos ele tem sempre um apelido malicioso, um verdadeiro ditador na corda bamba. Biden usa a velha tática de que 4 anos foram poucos para as mudanças e que precisa de só mais "4 aninhos", enquanto alimentava o monstro no quintal para usá-lo como chantagem eleitoral.)

« Última modificação: Quinta, 21 de Março, 2024 - 19h30 por feliphex »
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #7 em: Segunda, 25 de Março, 2024 - 16h55 »
Trump diz que libertará apoiadores que invadiram Capitólio se for eleito

Trump já fez comentários sobre sua hipotética eleição em 2024, com a promessa de que em seu retorno à Casa Branca não atuaria como ditador, "exceto no primeiro dia".

Por France Presse
12/03/2024

https://g1.globo.com/mundo/noticia/2024/03/12/trump-diz-que-libertara-apoiadores-que-invadiram-capitolio-se-for-eleito.ghtml



Scaramucci jokes Trump administration officials in ‘recovery unit’

BY TARA SUTER - 22/03/24

Scaramucci brinca que funcionários do governo Trump estão em ‘unidade de recuperação’

link original = https://thehill.com/homenews/campaign/4550001-scaramucci-jokes-trump-administration-officials-in-recovery-unit/

(tradução by feliphex)

O ex-diretor de comunicações da Casa Branca, Anthony Scaramucci, brincou na sexta-feira que ele e outros ex-funcionários do governo Trump estão em uma “unidade de recuperação de Trump”.

“Deixe-me falar sobre meus colegas e amigos, porque estamos juntos nesta unidade de recuperação de Trump, que incluiria [o ex-secretário de Defesa Mark Esper], [o general aposentado Mark Milley, ex-presidente do o Estado-Maior Conjunto]”, disse Scaramucci no programa “Morning Joe” da MSNBC na sexta-feira em um clipe destacado pela Mediaite.

Os comentários de Scaramucci vieram em resposta a uma pergunta do apresentador Joe Scarborough sobre por que Scaramucci acredita que o ex-presidente Trump é “um grande perigo para a República se for reeleito”.

Scaramucci também falou sobre uma “grande” briga que teve com Trump durante sua breve passagem pela Casa Branca sobre o tema “a instituição da presidência”.

“Sabe, estamos lá para servir o povo”, disse Scaramucci. “É o único trabalho no país, como todos nós sabemos, onde todos os eleitores elegíveis podem votar e, portanto, você é o presidente de todos.”

"Senhor. Trump não vê as coisas dessa forma”, continuou Scaramucci. "Senhor. Trump vê isso como uma posição de auto-engrandecimento, de arrogância, e você pode ganhar um pouco de dinheiro adicional, tudo bem também.”

Em uma entrevista à CNN na semana passada, Scaramucci rotulou Trump de “o candidato presidencial mais antiamericano da história dos EUA”.

“Temos que nos concentrar em que o Sr. Trump seja o candidato presidencial menos americano na história dos EUA”, disse Scaramucci em entrevista ao programa “The Source” da CNN com o apresentador Kaitlan Collins. “E temos que analisar as coisas que ele está dizendo que fará, no que se refere a ser o presidente americano.”



Scaramucci calls Trump ‘most un-American presidential nominee in US history’

BY TARA SUTER - 15/03/24

Scaramucci chama Trump de ‘o candidato presidencial mais antiamericano da história dos EUA’

link original = https://thehill.com/homenews/campaign/4534152-scaramucci-trump-most-un-american-presidential-nominee-in-us-history/

(tradução by feliphex)

Anthony Scaramucci, em entrevista na noite de quinta-feira, classificou o ex-presidente Trump como o “candidato presidencial mais antiamericano da história dos EUA”.

“Temos que nos concentrar em que o Sr. Trump seja o candidato presidencial menos americano na história dos EUA”, disse Scaramucci em entrevista ao programa “The Source” da CNN com o apresentador Kaitlan Collins. “E temos que analisar as coisas que ele está dizendo que fará, no que se refere a ser o presidente americano.”

“Acho que se fizermos isso, ele perderá a eleição”, continuou Scaramucci.

Scaramucci, que passou 11 dias na Casa Branca de Trump no cargo de diretor de comunicações, tornou-se agora um crítico frequente do ex-presidente. Na entrevista à CNN, Scaramucci também disse que Trump está “namorando ditadores”.

“Ele quer fazer parte do eixo da autocracia com pessoas como [o presidente russo] Vladimir Putin”, disse Scaramucci. “E só para lembrar às pessoas, Vladimir Putin está muito ligado ao Irão agora, por isso pensem no que isso significa para o Oriente Médio, porque sabemos o quão transacional Donald Trump é.”

“Ele deixou bem claro que qualquer pessoa de quem ele discorde ou que tenha uma relação adversa na imprensa, deseja potencialmente ameaçar sua licença [da Comissão Federal de Comunicações]. Ele disse publicamente que quer perseguir, usando o Departamento de Justiça, seus adversários políticos, e a lista é infinita”, acrescentou Scaramucci.

No mês passado, Scaramucci disse que Trump estava num “caso de amor” com Putin, na sequência dos comentários que o ex-presidente fez sobre a NATO. Trump disse que não protegeria os membros da aliança que não contribuíssem o suficiente para cumprir as metas de gastos com defesa.

“Ele tem um caso de amor com Vladimir Putin e, portanto, não creio que ninguém no Ocidente… a liderança ocidental entenda esse caso de amor”, disse Scaramucci na época. “Não creio que alguém nas agências de inteligência compreenda esse caso de amor, porque Vladimir Putin apelou à religação objetiva das repúblicas à antiga União Soviética.”
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #8 em: Quarta, 27 de Março, 2024 - 17h24 »
Biden ganha terreno contra Trump em seis estados-chave, diz pesquisa

Mudança na trajetória do presidente vem após cinco meses de liderança consistente de Trump

Carolina Unzelte
26 de março de 2024

https://exame.com/mundo/biden-ganha-terreno-contra-trump-em-seis-estados-chave-diz-pesquisa/



Biden, at risk with young voters, is racing to shift marijuana policy

Biden, em risco com os eleitores jovens, está correndo para mudar a política sobre a maconha

BY NOAH BIERMAN
26 de março, 2024

(tradução by feliphex)

link original => https://www.latimes.com/politics/story/2024-03-26/biden-election-young-voters-marijuana-weed-policy

WASHINGTON – A vice-presidente Kamala Harris ergueu os olhos dos comentários preparados na ornamentada Sala Roosevelt da Casa Branca este mês para garantir que os repórteres presentes pudessem ouvi-la claramente: “Ninguém deveria ser preso por fumar maconha”.
A “mesa redonda sobre a reforma da maconha” de Harris foi um lembrete impressionante de como a política mudou para um ex-promotora criada na era “Just Say No” (Apenas Diga Não) de tolerância zero na repressão às drogas. Enquanto o Presidente Biden procura o tão necessário apoio dos jovens, a sua administração aposta na política da cannabis como um potencial atrativo.

Biden fez comentários semelhantes aos de Harris no discurso sobre o Estado da União deste mês – embora o presidente de 81 anos tenha usado o termo “maconha” em vez de “erva”. O governo está destacando sua decisão de conceder clemência por posse de maconha enquanto corre para que a cannabis seja reclassificada sob a Lei de Substâncias Controladas antes que Biden enfrente os eleitores em novembro.

“O que há de bom nesta questão é que ela é clara e transparente”, disse Celinda Lake, uma das pesquisadoras de Biden para 2020 que também trabalha para a Coalizão para a Reforma do Programação da Cannabis, um grupo da indústria, juntamente com organizações democratas que apoiam a reeleição de Biden. “E é difícil chamar a atenção dos eleitores neste ambiente cínico.”

O desafio é significativo. Biden é visto com bons olhos por apenas 31% das pessoas com idades compreendidas entre os 18 e os 29 anos, muito pior do que se vê com outras faixas etárias, de acordo com uma sondagem recente da Economist/YouGov. Embora esteja à frente do ex-presidente Trump por 21 pontos percentuais nessa faixa etária, ele precisa de uma grande participação para repetir a sua fórmula de 2020. A idade de Biden provavelmente desempenhou um papel na alienação de um grupo que é ao mesmo tempo essencial para os democratas e historicamente mais difícil de galvanizar do que os eleitores mais velhos, que aparecem de forma mais consistente nas urnas.

Além do mais, o maior passo que Biden está dando é incremental e não está sob seu controle total. O presidente quer que os reguladores movam a maconha de uma classificação de Classe I sob a Lei de Substâncias Controladas – uma categoria mais restritiva de drogas que também inclui a heroína – para a Classe III, um grupo de drogas ainda altamente regulamentado que inclui esteroides anabolizantes.

Essa decisão está agora sob revisão pela Drug Enforcement Administration, que historicamente tem resistido a leis mais flexíveis sobre drogas e normalmente leva muitos anos para rever tais mudanças de regras dentro da lei, que está em vigor desde 1971.

Mesmo que a DEA concorde, isso não significará que a maconha seja legal a nível nacional, algo que frustra alguns defensores da cannabis.

“No ano de 2024, é justo esperar mais de um presidente democrata”, disse Matthew Schweich, diretor executivo do Marijuana Policy Project, uma organização sem fins lucrativos que tenta flexibilizar as leis nos níveis local, estadual e federal.

Schweich disse que se preocupa com o retorno de Trump ao cargo, mas acredita que Biden fez o “mínimo absoluto”, perdendo uma oportunidade política de pressionar pela legalização no Congresso e de defender a remoção completa da maconha da lista de substâncias controladas, que o senador Alex Padilla (D-Califórnia) e 11 outros senadores democratas pediram em uma carta de janeiro à DEA.

É pouco provável que Trump, cuja administração ameaçou a aplicação de medidas federais contra localidades e estados que legalizaram a maconha, atraia o apoio dos defensores da legalização.

As pesquisas que Lake fez para a indústria mostram que mesmo o passo incremental que Biden está buscando poderia aumentar sua aprovação em até 9 pontos percentuais entre os eleitores mais jovens em estados decisivos. Mas não é certo como isso aconteceria.

Um assessor de campanha, que falaria apenas sob condição de anonimato, disse que a política sobre a maconha é uma de uma série de questões que a campanha acredita que motivarão os jovens – importantes, mas não tão proeminentes quanto as preocupações de alto nível, incluindo a acessibilidade da faculdade, os direitos reprodutivos, a economia, clima e saúde.

A campanha adverte contra o tratamento dos jovens como um monólito, observando que eles se preocupam com uma variedade de questões e tendem a ver ligações entre elas. Os democratas, através de uma variedade de métodos, incluindo influenciadores das redes sociais e um programa de extensão universitária recentemente lançado, estão a tentar defender de forma mais ampla junto dos jovens que Biden está lutando pela equidade e pela mudança enquanto Trump olha para trás.

Eles observam que os eleitores jovens se mostraram críticos não apenas nas eleições de Biden em 2020, mas também nas eleições intercalares de 2022, quando as preocupações com a democracia e o direito ao aborto ajudaram o partido a ter um desempenho melhor do que o esperado.

O apoio global à legalização está agora em 70%, o mais elevado registado pelo Gallup, que começou a sondar a questão em 1969, quando apenas 12% dos americanos eram a favor da legalização da maconha. A substância é legal em 24 estados e em Washington, D.C., para adultos, e um total de 38 a tornaram legal para uso médico, de acordo com a Organização Nacional para a Reforma das Leis da Maconha, um grupo de defesa da legalização.

A administração apresentou a sua agenda sobre a maconha como parte dos seus esforços mais amplos para alterar outras leis penais e para melhorar as oportunidades de emprego e de negócios para pessoas que passaram algum tempo na prisão ou na cadeia.

Lake argumenta que os dois esforços combinados poderiam ajudar Biden com os homens negros, outro grupo onde perdeu apoio significativo desde que venceu as eleições em 2020.

Padilla disse que ainda é questionado regularmente sobre as regulamentações sobre a maconha, embora a Califórnia tenha sido o primeiro estado a aprovar uma lei sobre o uso medicinal em 1996. “Isso repercute em muitas pessoas”, disse ele.

Em termos práticos, reclassificar a maconha pouco muda. As penalidades federais permaneceriam as mesmas, embora o Departamento de Justiça tenha tratado durante décadas a maioria dos crimes relacionados à maconha como processos de baixa prioridade. Continuaria a ser ilegal transportar maconha através das fronteiras estaduais, o que significa que o acesso aos bancos e aos mercados financeiros continuará a ser um obstáculo, mesmo para as empresas que operam em estados que legalizaram a maconha.

A maior diferença é que cientistas e médicos poderiam estudar mais facilmente o medicamento para uso médico, algo que hoje está praticamente proibido. Tal mudança poderia abrir a porta para uma maior aceitação. Também reduziria a carga fiscal para a indústria nos estados onde é legal, permitindo deduções para despesas comerciais normais que são atualmente proibidas pela Receita Federal.

Outras mudanças potenciais são menos certas. Os bancos e emissores de cartões de crédito, por exemplo, não suspenderiam imediatamente as restrições às transações de maconha, embora isso pudesse acontecer se os reguladores do Departamento do Tesouro decidissem abordar a questão, de acordo com Shane Pennington, advogado especializado na Lei de Substâncias Controladas que clientes da indústria.

Biden propôs a revisão do status da maconha em outubro de 2022, um processo que normalmente leva em média mais de nove anos, disse Pennington. O Departamento de Saúde e Serviços Humanos recomendou o Anexo III em agosto, o primeiro passo para uma mudança. Um porta-voz da DEA, por e-mail, disse que a agência não discutiria o assunto enquanto ele estivesse sob análise.

“Muitas vezes leva muito tempo, mas estamos em um território sem precedentes aqui” porque a ordem veio diretamente do presidente, disse Pennington.

Harris, em sua mesa redonda sobre a reforma da maconha, mostrou sua impaciência.

“Não consigo enfatizar o suficiente que eles precisam chegar a isso o mais rápido possível, e precisamos de uma resolução baseada nas suas conclusões e na sua avaliação”, disse ela.

A natureza apressada do processo poderá expor as ações da administração – que quase certamente gerarão ações judiciais – a um escrutínio mais aprofundado.

Kevin A. Sabet, ex-assessor de políticas sobre maconha no governo Obama que lidera um grupo anti-legalização, observou que o Departamento de Saúde e Serviços Humanos de Biden divulgou sua recomendação preliminar às 16h20, gíria para fumar maconha, ressaltando a natureza política de um processo regulatório normalmente restrito. Ele argumentou que a decisão foi mal elaborada e poderia entrar em conflito com as obrigações do tratado dos EUA.

Mas Sabet também concorda com os defensores de que Biden poderia ter ido mais longe.

“Acho que o que o presidente quer fazer é colher alguns dos benefícios do cara que está abraçando tudo isso sem realmente se tornar a favor da legalização”, disse Sabet, que lidera o grupo Abordagens Inteligentes para a Maconha.



Ninguém deveria ser preso por usar maconha, diz Biden

No indulto de Natal de 2022 e 2023, o presidente dos EUA perdoou os norte-americanos condenados por porte da droga pela lei federal

8 mar 2024

https://www.poder360.com.br/internacional/ninguem-deveria-ser-preso-por-usar-maconha-diz-biden/
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #9 em: Sábado, 30 de Março, 2024 - 18h52 »
Trump publica vídeo que mostra imagem de Biden amarrado em porta-malas de caminhote

Imagens provocaram forte reação da campanha do atual presidente dos Estados Unidos

Kate Sullivan e Shania Shelton da CNN
30/03/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/eleicoes-nos-eua-2024/trump-publica-video-que-mostra-imagem-de-biden-amarrado-em-porta-malas-de-caminhote/



‘Feeble, Confused And Tired’: Donald Trump Torched After Bizarre Gaffe-Filled Appearance

The former president delivered a rambling performance as his legal battles heat up.

‘Fraco, confuso e cansado’: Donald Trump queimado após aparição bizarra cheia de gafes

O ex-presidente teve um desempenho incoerente à medida que suas batalhas jurídicas esquentavam.

By Ed Mazza
26 de março, 2024

(tradução by feliphex)

link original => https://www.huffpost.com/entry/trump-feeble-gaffes_n_660263bde4b0269c5d2d12ac

A campanha do presidente Joe Biden divulgou na segunda-feira uma declaração incomumente contundente, classificando Donald Trump como “fraco, confuso e cansado”, após uma aparição marcada por tropeços verbais, bem como uma postagem bizarra nas redes sociais em que ele se comparou a Cristo.

“Ele passou o fim de semana jogando golfe, a manhã comparando-se a Jesus e a tarde mentindo sobre ter dinheiro que definitivamente não tem”, disse o comunicado.

Trump enfrentou na segunda-feira duas decisões judiciais.

Em uma deles, um juiz reduziu a fiança de US$ 464 milhões em seu caso de fraude para US$ 175 milhões e deu-lhe 10 dias para conseguir o dinheiro. Noutro, um juiz decidiu que o julgamento criminal de Trump no caso Stormy Daniels do dinheiro para silenciar, terá início em 15 de abril.

Isso levou a uma aparição desconexa de Trump, que incluiu várias gafes, incluindo um momento estranho em que o ex-presidente insistiu que “não se pode ter eleições no meio de uma temporada política”.

O ex-presidente acrescentou: “Acabamos de ter a Superterça e já tivemos terça depois de terça”.

Trump também prometeu “trazer o crime de volta à lei e à ordem”.

A campanha de Biden classificou o ex-presidente como “fraco e desesperado – tanto como homem quanto como candidato à presidência” e zombou de suas dificuldades para arrecadar fundos e da falta de aparições recentes.

“Sua campanha não consegue arrecadar dinheiro, ele não está interessado em fazer campanha fora de seu clube de campo e cada vez que abre a boca, afasta os eleitores moderados e suburbanos com sua agenda perigosa”, disse a campanha em um comunicado. “A América merece coisa melhor do que um Donald Trump fraco, confuso e cansado.”

Os críticos de Trump concordaram: (segue várias postagens no X)



Biden campaign makes direct appeal to Haley supporters in new digital ad

Campanha de Biden faz apelo direto aos apoiadores de Haley em novo anúncio digital

By Arlette Saenz and Betsy Klein, CNN
29 de março, 2024

(tradução by feliphex)

link original => https://edition.cnn.com/2024/03/29/politics/biden-campaign-haley-digital-ad/index.html

Recém-saído de uma arrecadação de fundos recorde, a campanha de Biden lançou um anúncio digital na sexta-feira fazendo um apelo enérgico aos eleitores que apoiavam a ex-candidata presidencial republicana Nikki Haley – uma coalizão de republicanos e moderados rejeitada por Donald Trump que a equipe de Biden está tentando atrair enquanto as eleições gerais começam.

O anúncio apresenta clipes do ex-presidente chamando Haley de “cérebro de pássaro”, “uma pessoa muito zangada” e “madeira não presidencial”. Outro clipe mostra Trump sendo questionado sobre como trazer eleitores de Haley para sua coalizão, ao que ele responde: “Não tenho certeza se precisamos de muitos”.

“Se você votou em Nikki Haley”, diz o texto do anúncio, “Donald Trump não quer o seu voto”.

“Salve a América. Junte-se a nós”, conclui o texto do anúncio na tela.

A compra de anúncios digitais terá como alvo estados decisivos – especificamente áreas suburbanas favoráveis a Haley, que suspendeu sua campanha no início deste mês.

“Usando os recentes resultados primários republicanos para determinar o posicionamento do anúncio, este voo publicitário de sete dígitos centrado em vídeo será veiculado por três semanas em oito estados-chave, visando eleitores de Nikki Haley em CEPs predominantemente suburbanos, onde ela teve um bom desempenho contra Trump, “, disse a campanha de Biden em um comunicado, acrescentando que será veiculada em plataformas digitais, incluindo Meta, YouTube, TV conectada e vídeo online.

A mudança ocorre no momento em que a campanha de Biden faz aberturas para apoiadores e doadores de Haley desde que ela desistiu da disputa. O co-presidente da campanha, Jeffrey Katzenberg, e o presidente de finanças, Rufus Gifford, mantiveram discussões com alguns membros da rede de doadores de Haley, disseram à CNN fontes familiarizadas com os esforços.

Também houve discussões sobre a possibilidade de realizar uma arrecadação de fundos para ex-apoiadores de Haley no futuro, disse um funcionário da campanha.

Momentos depois de Haley suspender sua campanha, o presidente Joe Biden emitiu um comunicado dizendo que “há lugar” para apoiadores de Haley em sua campanha.

“É preciso muita coragem para concorrer à presidência – isso é especialmente verdade no Partido Republicano de hoje, onde tão poucos se atrevem a falar a verdade sobre Donald Trump. Nikki Haley estava disposta a falar a verdade sobre Trump: sobre o caos que sempre o segue, sobre sua incapacidade de ver o certo e o errado, sobre seu encolhimento diante de Vladimir Putin”, disse Biden no comunicado.

A campanha de Biden procura destacar áreas em comum com Haley, incluindo questões de democracia, preservação da NATO e do Estado de direito.



MAGA’s Ugly, Hateful Response to Bridge Horror Is About to Get Worse

If they can try to turn the tragic Baltimore bridge collapse into a culture war, they’ll go anywhere—hurting their own people in the process.

A resposta feia e odiosa do MAGA ao terror da ponte está prestes a piorar

Se conseguirem transformar o trágico colapso da ponte de Baltimore numa guerra cultural, eles irão a qualquer lugar – prejudicando o seu próprio povo no processo.

Greg Sargent
30 de março, 2024

https://newrepublic.com/article/180286/magas-ugly-hateful-response-bridge-horror-get-worse

(traduzam da melhor forma o artigo acima pois é muito extenso)
« Última modificação: Sábado, 30 de Março, 2024 - 19h13 por feliphex »
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #10 em: Quinta, 04 de Abril, 2024 - 18h07 »
Trump chama imigrantes de “animais” e intensifica foco em imigração ilegal

Em discurso no Michigan, republicano disse que a violência e o caos consumirão os Estados Unidos caso ele não vença a eleição presidencial deste ano

Reuters
02/04/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/eleicoes-nos-eua-2024/trump-chama-imigrantes-de-animais-e-intensifica-foco-em-imigracao-ilegal/

(não é notícia repetida)



Rove: Trump Jan. 6 pardons pledge a ‘critical mistake’

Rove: Perdões de Trump ao 6 de janeiro prometem ser um ‘erro crítico’

BY MIRANDA NAZZARO - 04/04/24

(tradução by feliphex)

link original => https://thehill.com/homenews/campaign/4574204-rove-trump-jan-6-pardons-pledge-a-critical-mistake/

O estrategista republicano Karl Rove exortou os democratas a “serem duros” com a retórica do ex-presidente Trump em torno do ataque de 6 de janeiro de 2021 ao Capitólio, chamando a promessa do ex-presidente de libertar manifestantes presos de um “erro crítico”.

“Se eles fossem espertos, pegariam o dia 6 de janeiro e se esforçariam. E eles diriam: ‘Ele quer perdoar essas pessoas que atacaram nosso Capitólio'”, disse Rove a Ari Melber, da MSNBC.

“Um dos erros críticos cometidos nesta campanha é que Donald Trump disse agora: ‘Vou perdoar essas pessoas porque são reféns'”, disse Rove na entrevista, que foi ao ar na quarta-feira. "Não, eles não são. Eles são bandidos.

Trump disse no mês passado que seu primeiro ato, caso fosse eleito para a Casa Branca, seria libertar os manifestantes presos em 6 de janeiro, a quem ele chamou de “reféns”. O ex-presidente expressou em diversas ocasiões simpatia pelos acusados de ligação com a insurreição e falou no ano passado numa angariação de fundos organizada para os réus.

“Não consigo entender por que Trump fez isso”, disse Rove, criticando Trump por aparecer em vídeos com aqueles que atacaram a polícia durante os tumultos.

Mais de 1.350 pessoas foram acusadas de crimes federais relacionados ao ataque de 6 de janeiro de 2021, quando grupos de manifestantes invadiram o Capitólio para impedir a certificação dos resultados eleitorais de 2020 pelo Congresso.

Rove - o ex-vice-chefe de gabinete da Casa Branca do ex-presidente George W. Bush - foi veemente sobre as ações dos manifestantes, dizendo a Melber: “O que aquelas pessoas fizeram quando atacaram violentamente o Capitólio para impedir uma reunião para aceitar o resultado do Colégio Eleitoral pelo Congresso é uma mancha na nossa história.”

“E cada um desses filhos da puta que fizeram isso, devemos encontrá-los, julgá-los e mandá-los para a prisão”, acrescentou.

O estrategista explicou que embora seja republicano e não queira um democrata na Casa Branca, não pode tolerar as ações do ex-presidente.

“Estamos enfrentando, como país, uma decisão… e você sabe, todos podem tomá-la… sobre que tipo de liderança teremos”, disse Rove. “E para mim, é um erro da campanha de Trump permitir que os impulsos do presidente se identifiquem com as pessoas que atacaram o Capitólio, em vez de com pessoas que defendem a lei e a ordem.”

Trump enfrenta atualmente acusações criminais federais e estaduais em Washington, D.C. e na Geórgia por seus supostos esforços para anular os resultados eleitorais depois de perder para o presidente Biden em 2020.

The Hill procurou a campanha de Trump para comentar.



Former RNC chair calls Trump ‘visceral animal’ after he shared a video of Biden tied up

O ex-presidente do RNC (Comitê Nacional Republicano) chama Trump de ‘animal visceral’ depois que ele compartilhou um vídeo de Biden amarrado

BY LAUREN IRWIN - 30/03/24

(tradução by feliphex)

link original => https://thehill.com/homenews/campaign/4565400-former-rnc-chair-calls-trump-visceral-animal/

O ex-presidente do Comitê Nacional Republicano (RNC), Michael Steele, chamou o ex-presidente Trump de “animal visceral” depois que Trump compartilhou um vídeo mostrando o presidente Biden amarrado na traseira de um caminhão e uma série de ataques contra juízes que supervisionam seus processos judiciais.

Steele, analista político da MSNBC, disse no sábado que o conceito de pensar antes de falar “está muito acima do nível salarial de Donald Trump, ou, eu acho, da capacidade intelectual, porque ele é um animal visceral politicamente e nos negócios”.

“Ele sente que o que diz é verdade e acho que isso é parte do problema neste ambiente, é que ele pensa que é verdade o que está dizendo”, continuou Steele.

Na sexta-feira, Trump postou um vídeo em seu site Truth Social de um caminhão que tinha uma foto impressa na carroceria que parecia mostrar Biden deitado de lado, amarrado.

Nos últimos dias, Trump também publicou ataques aos juízes envolvidos nos seus processos criminais, mais recentemente no seu julgamento do dinheiro para silenciar. O juiz Juan Merchan e sua filha foram os últimos alvos do ex-presidente. Merchan impôs uma ordem de silêncio a Trump, limitando o que ele pode dizer publicamente sobre o caso do dinheiro para silenciar, mas Merchan e sua filha estão excluídos da ordem.

Steele disse acreditar que os tribunais estão tentando dar a Trump o mesmo tratamento que dariam a qualquer outra pessoa.

“Mas [Trump] mostrou a sua capacidade de não se importar com isso”, disse ele. “E ainda me surpreende o quanto o sistema se curva para trás.”

Steele questionou a tomada de decisão de Merchan ao excluir-se da ordem. Ele perguntou “quantas vezes” Trump provou que “é um mau ator neste espaço” antes de chegar a este momento.

“Quero dizer, eu não entendo nada. Estou confuso sobre como o sistema ainda não responde ao que está à sua frente”, disse ele.

Steven Cheung, porta-voz da campanha de Trump, defendeu a postagem de Trump em uma declaração enviada por e-mail.

“Essa foto estava na traseira de uma caminhonete que viajava pela rodovia. Os democratas e os lunáticos enlouquecidos não só apelaram à violência desprezível contra o presidente Trump e a sua família, como estão na verdade a usar o sistema judicial como arma contra ele”, afirmou a declaração de Cheung.

O diretor de comunicações da campanha de Biden, Michael Tyler, argumentou que este tipo de postagem é regular para Trump.

“Esta imagem de Donald Trump é o tipo de porcaria que você posta quando pede um banho de sangue ou quando diz aos "proud boys" para ‘afastarem-se e aguardarem’”, disse Tyler em um comunicado enviado por e-mail. “Trump incita regularmente a violência política e é tempo de as pessoas o levarem a sério – basta perguntar aos agentes da polícia do Capitólio que foram atacados para proteger a nossa democracia no dia 6 de janeiro.”

Tara Suter contribuiu com reportagens.



Esper ‘definitely not voting for Trump,’ leaves door open for Biden

Esper ‘definitivamente não vota em Trump’, deixando a porta aberta para Biden

BY TARA SUTER - 30/03/24

(tradução by feliphex)

link original => https://thehill.com/homenews/campaign/4565533-esper-definitely-not-voting-for-trump-leaves-door-open-for-biden/

O ex-secretário de Defesa de Trump, Mark Esper, disse na sexta-feira que não votaria em seu antigo chefe, mas deixou a porta aberta para votar no presidente Biden.

“Ainda não cheguei lá”, disse Esper após ser questionado pelo comediante Bill Maher em seu programa da HBO, “Real Time with Bill Maher”, se votaria no atual presidente. “Definitivamente não vou votar [no ex-presidente Trump], mas ainda não cheguei lá.”

Trump anunciou que demitiu Esper de seu cargo de secretário de Defesa em novembro de 2020, depois que Biden foi projetado para vencer a corrida presidencial de 2020. Desde então, Esper tornou-se um crítico de seu ex-superior, chamando-o de “ameaça à democracia” no recente terceiro aniversário do motim de 6 de janeiro de 2021 no Capitólio.

“E sim, eu o considero uma ameaça à democracia, à democracia como a conhecemos, às nossas instituições, à nossa cultura política, a todas essas coisas que tornam a América grande e nos definiram como, você sabe, a democracia mais antiga deste planeta,” Esper disse a Jim Acosta da CNN em janeiro.

Esper disse sexta-feira no programa de Maher que “cada dia que Trump faz algo maluco, a porta… para votar em Biden se abre um pouco mais”.

“Essa é uma porta que se abre lentamente”, brincou Maher em resposta a Esper.

Esper disse anteriormente que não votaria em Trump nas eleições deste ano, apelando a “uma nova geração de líderes republicanos”.

“Não, e vou lhe dizer por quê”, disse Esper em 2022, quando questionado se votaria em seu ex-chefe se concorresse à presidência novamente. “Porque, na minha opinião, qualquer líder eleito precisa cumprir alguns critérios básicos: precisa ser capaz de colocar o país acima de si próprio; eles precisam ter uma certa integridade e princípios; eles precisam ser capazes de atravessar o corredor e unir as pessoas e unir o país. Olha, Donald Trump não atinge essas marcas para mim.”
« Última modificação: Quinta, 04 de Abril, 2024 - 18h08 por feliphex »
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #11 em: Sábado, 13 de Abril, 2024 - 18h29 »
'Unprecedented' and 'stunning' number of Trump administration alums oppose his reelection

A minimum of 16 Trump administration veterans have sharply criticized the ex-president, with terms such as "threat to democracy," "erratic," "delusional" and "narcissistic."

Número 'sem precedentes' e 'impressionante' de ex-membros do governo Trump se opõem à sua reeleição

No mínimo 16 veteranos da administração Trump criticaram duramente o ex-presidente, com termos como “ameaça à democracia”, “errático”, “delirante” e “narcisista”.

Zac Anderson 12 de abril de 2024

(tradução by feliphex)

link original => https://www.usatoday.com/story/news/politics/elections/2024/04/12/trumps-critics-former-white-house/73145245007/

Sarah Matthews estava trabalhando na Casa Branca em 6 de janeiro de 2021, quando uma multidão de apoiadores do ex-presidente Donald Trump invadiu o Capitólio dos EUA na tentativa de impedir a certificação da vitória do presidente Joe Biden. Ela viu como a equipe de Trump tentou fazer com que ele condenasse a violência durante horas, sem sucesso.

“Aos meus olhos, foi um completo abandono do dever que ele não cumpriu seu juramento”, disse Matthews ao USA TODAY. “Perdi toda a fé nele naquele dia”, disse Matthews ao USA TODAY.

Matthews renunciou ao cargo de vice-secretária de imprensa após 6 de janeiro. Ela vê Trump como uma ameaça à democracia que tentou roubar as eleições de 2020 e faria isso novamente.

Matthews faz parte de um grande grupo de ex-funcionários do governo Trump que desaprovam veementemente o ex-presidente enquanto ele tenta retornar ao Salão Oval. Muitos dos que questionam a sua aptidão para a presidência ocuparam cargos de alto nível na Casa Branca, incluindo o ex-vice-presidente Mike Pence e vários membros do gabinete.

Os críticos de Trump, dentro da sua própria administração, apontam frequentemente para algumas preocupações principais: a ameaça que acreditam que ele representa para a democracia, a forma como lida com as questões de segurança nacional e o seu carácter.

O grande número de funcionários de Trump – um mínimo de 16 – que se manifestam contra o seu antigo chefe, e a severidade das suas críticas, é altamente incomum. Isso não tem precedente histórico no século passado, segundo três historiadores presidenciais e um cientista político entrevistados pelo USA TODAY.

“Não creio que tenhamos visto algo assim, certamente não nos últimos 100 anos”, disse Lindsay Chervinsky, pesquisadora sênior do Centro de História Presidencial da Universidade Metodista do Sul.

Mike Pence, Mark Esper, e John Bolton, autoridades de segurança nacional 

Alguns ex-funcionários da administração Trump opõem-se ativamente à sua reeleição. Outros foram mais cautelosos, mas ainda ofereceram avaliações contundentes de seu desempenho e caráter.

Pence foi um defensor entusiasmado - os críticos diriam "cachorrinho" - de Trump até que o ex-presidente o pressionou para anular a vitória de Biden, culminando com os apoiadores de Trump gritando "enforquem Mike Pence" enquanto invadiam o Capitólio em 6 de janeiro. Pence concorreu contra Trump nas primárias republicanas de 2024 e agora diz que não o apoiará nas eleições gerais por causa de “diferenças profundas”, inclusive sobre os “deveres constitucionais” de Pence.

A ex-embaixadora de Trump nas Nações Unidas, Nikki Haley, também o desafiou nas primárias e reteve o seu apoio até agora depois de desistir.

“Alguém que desrespeita continuamente os sacrifícios das famílias de militares não tem nada a ver com ser comandante-em-chefe”, disse Haley sobre Trump, depois de o ex-presidente ter zombado do marido de Haley, que está no exterior em missão militar.

Matthews, o ex-secretário de Defesa Mark Esper e o ex-conselheiro de Segurança Nacional John Bolton disseram ao USA TODAY que não votarão em Trump. Outras figuras importantes da administração Trump que fizeram fortes críticas ao ex-presidente incluem o procurador-geral Bill Barr, o chefe de gabinete John Kelly e o secretário de Defesa Jim Mattis.

“Ver tantas pessoas saindo de um governo para o qual trabalharam dizendo ‘perigo, não deixe esse cara chegar perto da Casa Branca novamente, isso colocará nossa democracia em risco’, isso é uma coisa impressionante”, disse o historiador presidencial Douglas Brinley.

Bolton, um fiel dos governos republicanos durante décadas, disse que a longa lista de críticos de Trump dentro da Casa Branca mostra que as questões sobre ele vão muito além de simples divergências políticas.

“Acho que o que há de impressionante no número de altos funcionários do governo Trump que fizeram campanha contra ele prova que é realmente o caráter falho de Trump, a falta de conhecimento, a falta de filosofia, a falta de aptidão que os preocupa”, disse Bolton.

Bolton disse que é normal que os membros da administração discordem do seu chefe, mas muitas vezes permanecem leais porque “ainda pensam que o coração da pessoa está no lugar certo e que ela é competente para fazer o trabalho”, enquanto a experiência de Bolton com Trump o levou a acreditar que o ex-presidente é incompetente e mais preocupado com seus próprios interesses políticos do que com a segurança nacional. Bolton disse que votará no ex-vice-presidente Dick Cheney em 2024, como fez em 2020.

Linda McMahon, Wilbur Ross e outros continuam apoiando

Trump tem muitos ex-funcionários do governo que ainda são leais a ele. Alguns estão ansiosos para vê-lo reeleito e estão ativos em sua campanha de 2024, como o ex-embaixador de Trump na Alemanha, Richard Grenell, o secretário de Comércio, Wilbur Ross, e a ex-chefe da Trump Small Business Administration, Linda McMahon. A campanha de Trump descarta os dissidentes como pessoas atípicas em busca de publicidade.

“Havia dezenas de membros do gabinete, centenas de funcionários da Casa Branca e milhares de nomeados políticos que serviram orgulhosamente na administração Trump e continuam a apoiar fortemente o presidente Trump”, disse a porta-voz de Trump, Karoline Leavitt, numa declaração ao USA TODAY. "A mídia adora ficar obcecada com os poucos vendidos que o criticam abertamente para aumentar seus próprios egos ou conseguir mais aparições na televisão a cabo."

‘Ameaça à democracia’

Matthews tinha apenas 25 anos quando ingressou na Casa Branca de Trump e parecia ter uma longa carreira na política republicana pela frente.

À medida que a campanha de 2020 se desenrolava, ela ficou desconfortável com “as mentiras de Trump sobre a eleição” – Trump afirmou falsamente que houve fraude eleitoral massiva, alegações que foram rejeitadas em dezenas de processos judiciais – mas queria aguentar até o final da administração .

Então chegou o dia 6 de janeiro.

“Testemunhei funcionários indo até o presidente Trump para tentar fazê-lo condenar a violência”, disse Matthews. “Durante horas, Trump recusou-se a fazer qualquer coisa. Ele não queria parar isso.”

Matthews testemunhou sobre o que viu ao comitê da Câmara dos EUA que investigava em 6 de janeiro e desde então, tem dado o alarme sobre outro mandato de Trump. Ela acredita que as ações de Trump equivaleram a uma tentativa de “golpe” e que ele faria isso novamente.

“Vimos que ele não concordou com a transferência pacífica de poder na primeira vez, o que o faz pensar que ele concordaria se fosse eleito para um segundo mandato e estivesse disposto a deixar o cargo?” ela disse.

Esper, o antigo secretário da Defesa, também se preocupa com o impacto de Trump no sistema democrático da América. Em suas memórias de 2022, “A Sacred Oath”, Esper chama a decisão de Trump de pular a posse de Biden de “um ato final de petulância” que “manchou nossa democracia”.

“Ele é uma ameaça à democracia como a conhecemos”, disse Esper ao USA TODAY.

Normas como admitir a derrota eleitoral e comparecer à posse de um sucessor “realmente mantêm o país unido”, disse Esper.

Esper também escreve sobre seu alarme em torno das ações do ex-assessor de Segurança Nacional de Trump, Michael Flynn, após a eleição, observando que Flynn – que se encontrou com Trump no Salão Oval em 18 de dezembro de 2020 – foi à televisão na mesma semana e sugeriu que Trump poderia declarar a lei marcial, confiscar máquinas de votação e usar “capacidades militares” para “basicamente repetir eleições em cada um desses estados”

Trump demitiu Esper logo após a eleição em meio a especulações de que Trump poderia tentar usar os militares para se manter no poder.

Preocupações com o caráter

Esper é contundente em seu livro sobre o caráter de Trump, os esforços para politizar os militares e a tomada de decisões sobre questões de segurança nacional.

Ele escreve que Trump é “sem princípios”, “mesquinho”, “perigoso” e propenso a “invenções diretas”.

A denúncia do carácter e da abordagem de governo de Trump surge repetidamente dos antigos funcionários da administração que o criticaram:

* O ex-chefe de gabinete de Trump, John Kelly, disse à CNN que Trump “não sente nada além de desprezo pelas nossas instituições democráticas, pela nossa Constituição e pelo nosso Estado de direito”.

*O ex-procurador-geral de Trump, Bill Barr, disse à CNN em uma entrevista que Trump tem uma “propensão para se envolver em... atos imprudentes” e disse “Não acho que ele deveria estar perto do Salão Oval”, ao discutir sua oposição a Trump durante as primárias, mas ainda deixando a porta aberta para votar nele nas eleições gerais.

*Cassidy Hutchinson, que serviu como assistente do ex-chefe de gabinete de Trump, Mark Meadows, disse à CNN que “Donald Trump é a ameaça mais grave que enfrentaremos à nossa democracia durante a nossa vida e, potencialmente, na história americana”.

*O ex-secretário de Defesa Jim Mattis divulgou um comunicado condenando o dia 6 de janeiro, quando acusou o ex-presidente de usar sua posição para “destruir a confiança em nossa eleição e envenenar nosso respeito pelos concidadãos”.

*O ex-conselheiro de Segurança Nacional de Trump, general H.R. McMaster, em uma entrevista à CNN, disse que o ex-presidente incitou em 6 de janeiro por meio de “desinformação sustentada... espalhando essas teorias de conspiração infundadas” e o acusou de “anti-liderança” e de “minar o Estado de direito”. .”

*A ex-diretora de comunicações da Casa Branca de Trump, Stephanie Grisham, que renunciou após 6 de janeiro, disse à ABC em 2021 que Trump não está "apto para o trabalho", acrescentando: "Acho que ele é errático. Acho que ele pode estar delirando. Acho que ele é um narcisista e se preocupa consigo mesmo antes de mais nada. E não quero que ele seja nosso presidente novamente.”

*A ex-diretora de comunicações da Casa Branca de Trump, Alyssa Farah Griffin, disse ao Washington Post que Trump “é uma ameaça à democracia e nunca o apoiarei”.

*O ex-conselheiro especial da Casa Branca de Trump, Ty Cobb, disse ao Washington Post que "o desprezo desenfreado de Trump pelo Estado de direito e seus crimes relacionados, sua conduta e mera existência aceleraram o fim da democracia e da nação".

Os leais a Trump

Richard Grenell, que atuou como diretor interino de inteligência nacional de Trump e permaneceu próximo dele, disse que as críticas ao caráter de Trump “não têm nenhum mérito”.

“Eu conheço o presidente Trump”, disse Grenell. “Ele é extremamente gentil e é um negociador, ele negocia para tentar melhorar a situação e em Washington DC muitas pessoas não querem um negociador, elas querem alguém que se apegue às suas armas e lutas partidárias.”

Grenell chamou os críticos que surgiram da administração Trump de "criaturas de Washington D.C."

“Washington D.C. tem problemas em ambos os lados do corredor onde as pessoas vivem, trabalham, adoram, brincam e criam suas famílias, tudo em Washington D.C.”, disse Grenell. “É difícil pensar que as pessoas que se beneficiam de Washington D.C. vão tentar reformá-la.”

Entre os outros ex-funcionários da administração Trump que apoiam a sua campanha estão o ex-secretário do Tesouro Steven Mnuchin, o ex-secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano Ben Carson e Ross, todos os quais endossaram a sua candidatura para 2024.

Ross e McMahon estavam entre os copresidentes de uma arrecadação de fundos este mês para Trump em Palm Beach.

Preocupação ‘sem precedentes’ daqueles que trabalharam mais próximos do presidente

As memórias contadas de veteranos da Casa Branca tornaram-se mais comuns nos últimos anos, mas essas críticas são normalmente muito mais brandas do que as que emergiram da Casa Branca de Trump e limitadas a um punhado de pessoas, disse William Howell, cientista político da Universidade de Chicago que escreveu vários livros sobre a presidência.

“Aqui você tem um coro de vozes, todas cantando o mesmo hinário, que fala sobre Trump ser inadequado para servir como presidente e representar uma ameaça distinta à democracia”, disse Howell. "Não consigo pensar num corolário, certamente na história americana moderna."

"Os historiadores não gostam de usar a palavra sem precedentes, mas quando você junta as duas coisas... sinto-me confortável em usar a palavra sem precedentes, dada a intensidade das críticas e a natureza coletiva das críticas", disse o historiador presidencial Gil Troy, que co -escreveu um livro sobre a história das eleições presidenciais.

Isso terá importância nas eleições?

As consequências políticas de tanto fogo amigo dirigido a Trump a partir das fileiras do seu pessoal na Casa Branca não são claras, uma vez que o apoio de Trump resistiu a inúmeros escândalos até agora.

Chervinsky, o historiador presidencial, observou que o "endurecimento das linhas partidárias" nos últimos anos significa que os eleitores são mais rápidos em rejeitarem as críticas ao líder do seu partido, mesmo dentro das suas próprias fileiras. Em vez disso, o crítico é muitas vezes aquele que perde apoio, pelo menos no Partido Republicano da era Trump. A ex-deputada do Wyoming Liz Cheney, uma republicana conservadora de uma família proeminente do Partido Republicano, perdeu sua posição de liderança do partido e foi derrotada nas primárias depois de se tornar uma crítica veemente das ações de Trump em torno de 6 de janeiro.

“Há menos oscilações na opinião pública e menos espaço para mudar de opinião, mas isso não significa que não há espaço para mudar de opinião”, disse Chervinksky.

Mas o número de ex-funcionários da administração Trump que o criticam e o alcance e a severidade das suas críticas são “extraordinários”, acrescentou ela, e podem ser um fator que influencie os eleitores indecisos que decidem tardiamente.

Howell disse que os ataques “da sua própria tribo” tendem a ser mais prejudiciais politicamente.

“Esses tipos de críticas, quando envolvem caráter ou políticas, como mostram boas pesquisas, podem romper divisões partidárias e corroer os níveis básicos de apoio”, disse Howell.
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #12 em: Domingo, 14 de Abril, 2024 - 17h54 »
Former GOP rep says Trump ‘appeals to the worst of us,’ calls on Biden ‘to recognize the moment’

O ex-representante do Partido Republicano diz que Trump ‘apela para o pior de nós’ e pede a Biden ‘que reconheça o momento’

BY FILIP TIMOTIJA - 06/04/24

(tradução by feliphex)

link original => https://thehill.com/homenews/campaign/4578861-former-gop-rep-says-trump-appeals-to-the-worst-of-us/

O ex-deputado republicano Joe Walsh (Ill.) Disse que o ex-presidente Trump “apela para o pior de nós” ao discutir a retórica de Trump e pediu ao presidente Biden que “reconheça o momento” ao apelar aos eleitores em novembro.

Walsh, que cumpriu um mandato na Câmara, criticou Trump e chamou-o de “demagogo do mal”.

“Quero dizer, Trump apela ao pior de nós, e [Biden] vai levar isso para casa da melhor maneira que ele puder”, disse Walsh durante sua aparição no sábado no “The Weekend” da MSNBC. “Estamos vivendo um momento populista. Trump é um demagogo malvado que nos lança coisas horríveis sobre este momento populista. O povo americano está com raiva.”

O ex-membro do Partido Republicano estava reagindo a alguns dos comentários que Trump fez durante a campanha. Trump disse durante seu comício de março em Ohio que haveria um “banho de sangue” para a indústria automobilística se ele não fosse eleito em novembro. Trump também foi criticado por usar a frase “envenenar o sangue do nosso país” ao mencionar imigrantes que entram nos EUA durante um comício em New Hampshire, em dezembro.

Walsh, que concorreu brevemente contra Trump em 2020, disse que Biden e os democratas precisam capitalizar agora, faltando sete meses para o dia das eleições.

“Acho que Biden e sua equipe precisam reconhecer o momento e apelar ao melhor de nós”, disse ele. “Isto não é quem somos. Entendo que estamos com raiva e os democratas precisam reconhecer a raiva, mas não demagogá-la como Trump faz.”

Walsh serviu na câmara baixa de 2011 a 2013. Apesar de ter votado em Trump em 2016, Walsh criticou o ex-presidente durante sua candidatura à reeleição presidencial em 2020.



Napolitano: For Trump to run as ‘law and order candidate’ would be like ‘me saying I play in the NBA’

Napolitano: Trump concorrer como ‘candidato da lei e da ordem’ seria como ‘eu dizer que jogo na NBA’

BY LAUREN SFORZA - 07/04/24

(tradução by feliphex)

link original => https://thehill.com/homenews/campaign/4579927-napolitano-for-trump-to-run-as-law-and-order-candidate-would-be-like-me-saying-i-play-in-the-nba/

A ex-secretária de Segurança Interna Janet Napolitano (Barack Obama) disse que o ex-presidente Trump dizer que ele é o candidato da “lei e da ordem” seria como ela dizer que joga na NBA.

“Então, em primeiro lugar, para o ex-presidente Trump concorrer como um candidato da lei e da ordem, seria como se eu dissesse que jogo na NBA. Quero dizer, isso simplesmente… simplesmente não é verdade”, disse ela no domingo no programa “Inside with Jen Psaki” da MSNBC.

A apresentadora Jen Psaki perguntou a Napolitano qual foi sua resposta às repetidas afirmações de Trump de que o crime está “pior do que nunca” nos EUA. Psaki observou que o crime diminuiu na maioria dos lugares nos EUA, mas aumentou em algumas cidades, incluindo Washington, D.C. Napolitano, que serviu na administração Obama de 2009 a 2013, rejeitou a ideia de que a criminalidade aumentou durante o mandato do presidente Biden na Casa Branca.

“Então, vejam, houve um aumento terrível nos crimes violentos, na verdade, durante o final da presidência de Trump, quando estávamos no meio da pandemia de COVID. Mas desde então, a criminalidade tem diminuído drasticamente em alguns anos. Portanto, no ano passado, 2023 viu a maior redução anual nos crimes violentos em todo o país do que tivemos desde cerca de 1960”, disse ela.

“E então, para dizer, estamos inundados de crimes violentos que estão aumentando, etc., etc. Olha, nunca deixe os fatos atrapalharem a retórica, eu acho. Mas os fatos são os fatos”, disse ela.

Dados do FBI divulgados no mês passado mostraram que os crimes violentos nos EUA continuaram a diminuir em 2023, após um aumento na era da pandemia. O presidente Biden elogiou as estatísticas da época, dizendo que continuará a trabalhar para manter as comunidades seguras.

Psaki então perguntou a Napolitano o que ela pensava sobre os republicanos usando incidentes violentos, como a morte do estudante Laken Riley, como “evidência de que o crime dos migrantes é um dos principais impulsionadores do crime”. O suspeito da morte de Riley é Jose Ibarra, um cidadão venezuelano que entrou ilegalmente nos EUA em 2022, segundo a polícia.

“Então veja, fazendo um argumento geral sobre o crime a partir de um caso terrível. E foi um caso terrível, e meu coração está com a família e os amigos da vítima. Mas apresentar um argumento nacional geral de que estamos assistindo a crimes violentos causados por migrantes, mais uma vez, simplesmente não corresponde aos fatos”, disse Napolitano.

The Hill entrou em contato com a campanha de Trump para comentar.



Ex-Obama aides become Biden critics on Gaza

Ex-assessores de Obama tornam-se críticos de Biden sobre Gaza

BY ALEX GANGITANO e CAROLINE VAKIL - 10/04/24

(tradução by feliphex)

link original => https://thehill.com/homenews/campaign/4583525-obama-allies-expose-dem-rift-over-bidens-israel-hamas-war-strategy/

Alguns dos assessores mais proeminentes do ex-presidente Obama aumentaram as suas críticas ao presidente Biden – desta vez sobre a forma como lidou com a guerra Israel-Hamas.

Jon Favreau, Ben Rhodes e David Axelrod estão entre os ex-funcionários do governo Obama que criticaram Biden nas últimas semanas por não falar sobre suas dúvidas com a forma como Israel lidou com a guerra.

As frustrações dos colegas democratas sublinham a crescente divisão no partido à medida que a guerra se arrasta para o seu sétimo mês. A desaprovação do Mundo Obama veio depois que um relatório sugeriu que Biden estava “zangado” em particular, mas não estava disposto a mudar a política dos EUA em relação a Israel após a morte de sete do World Central Kitchen por um ataque aéreo israelense.

“O presidente não recebe crédito por estar ‘enfurecido em particular’ quando ainda se recusa a usar influência para impedir as FDI de matar e deixar pessoas inocentes passarem fome. Essas histórias apenas o fazem parecer fraco”, escreveu Favreau, ex-assistente de Obama e diretor de redação de discursos, na plataforma social X.

Desde então, a Casa Branca afiou o seu tom em relação a Israel. No dia seguinte à postagem de Favreau, Biden disse ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que a política dos EUA será agora “determinada” em medidas concretas que Israel deve tomar para proteger os civis e permitir a entrada de ajuda humanitária adicional, extremamente necessária, em Gaza.

Mas, ao contrário de alguns contingentes de democratas que afirmam que Biden perdeu o voto em novembro, Favreau observou num post de acompanhamento que ainda apoiaria o presidente.

“Estou votando em Joe Biden, fazendo campanha para Joe Biden, amo muito o que Joe Biden fez, mas odeio sua política em relação a Israel e quero que ela mude. Não sei por que isso é difícil de conseguir”, disse Favreau.

Ben Rhodes, vice-assessor de segurança nacional e redator de discursos de Obama, expressou um sentimento semelhante.

“O governo dos EUA ainda fornece bombas de 2 mil libras e munições para apoiar a política de Israel. Até que haja consequências substantivas, esta indignação não faz nada. Bibi obviamente não se importa com o que os EUA dizem, o que importa é o que os EUA fazem”, escreveu Rhodes no X.

A posição de Rhodes em relação a Israel durante a administração Obama valeu-lhe a alcunha de “Hamas”, cunhada pelo então chefe de gabinete Rahm Emanuel devido ao quão crítico ele era em relação a Israel, Rhodes revelou nas suas memórias “The World As It Is”.

Entretanto, o principal conselheiro de Obama, David Axelrod, que por vezes criticou abertamente Biden, não mencionou o nome do presidente no seu tweet sobre as mortes dos trabalhadores humanitários, mas a direção da sua frustração era clara.

“O assassinato de sete heróicos trabalhadores da World Central Kitchen em Gaza deveria ser uma linha vermelha brilhante. Israel tem o direito de se defender contra atos bárbaros de terrorismo, de não matar indiscriminadamente inocentes ou homens e mulheres valentes que trabalham para salvá-los da fome”, escreveu Axelrod no X.

Uma fonte familiarizada com a Casa Branca observou a importância de os ex-assessores de Obama terem falado abertamente sobre a política de Biden para Israel no meio de uma campanha de reeleição.

“É chocante”, disse a fonte. “Quando você ainda faz parte da equipe, por assim dizer – a equipe D ou a equipe azul – as pessoas muitas vezes têm medo de ser críticas.”

Outros democratas apontam para um discurso mais amplo dentro do partido sobre como lidar com o principal aliado.

“Acho que estamos tendo um grande debate no Partido Democrata sobre o que fazer no Médio Oriente, e não há unanimidade sobre isto”, disse o estrategista democrata Simon Rosenberg. “Mas acho que é um debate. Não creio que se tenha tornado algo profundamente divisivo e corrosivo para Biden, como vimos, porque os seus números nas sondagens estão subindo.”

A forte relação pessoal de Obama e Biden ficou visível no palco numa recente angariação de fundos em Nova Iorque, quando Obama elogiou o presidente ao lado do ex-presidente Clinton.

“A razão pela qual escolhi originalmente Joe Biden para ser meu vice-presidente... e a razão pela qual penso que ele tem sido um presidente notável é porque ele tem convicção moral e clareza”, disse Obama.

“Mas ele também está disposto a reconhecer que o mundo é complicado e que está disposto a ouvir todos os lados neste debate e em todos os outros debates e tentar ver se conseguimos encontrar um terreno comum”, continuou ele. “Esse é o tipo de presidente que eu quero.”

Fontes que falaram com The Hill apontaram as diferenças entre a abordagem de Obama e Biden em relação a Netanyahu.

Biden, antigo presidente das Relações Exteriores do Senado, é um produto da visão tradicional da política externa de Washington, enquanto Obama era visto como alguém que confrontava as críticas ao passado intervencionista da América.

Existem tensões persistentes entre as duas equipes, que eclodiram quando Axelrod disse em novembro que Biden deveria reconsiderar a candidatura à reeleição.

As tensões entre as duas equipes remontam a 2015. Biden escreveu em seu livro de 2017, “Promise Me, Dad”, que Obama “estava sutilmente pesando contra” uma corrida de Biden à Casa Branca, e ele acreditava na época que Obama concluiu então que a secretária de Estado Hillary Clinton seria a indicada.

“O pessoal de Biden é muito sensível em relação ao cara do ‘Pod Save America’”, disse a fonte familiarizada com a Casa Branca, referindo-se a Favreau, que apresenta o podcast.

“É parte dessa pressão interminável sobre a maneira como os democratas progressistas e os veteranos da Casa Branca de Obama sempre trataram Biden e a campanha de Biden”, disse a fonte. “Está enraizado em todas essas coisas.”

Alguns membros do partido argumentaram que havia formas mais eficazes de comunicar as dúvidas à administração Biden do que através das redes sociais.

“Sinto que as pessoas que influenciam as redes sociais têm a capacidade de pegar o telefone e expressar seus pontos de vista às pessoas que estão na mesa de tomada de decisões”, disse o estrategista democrata Antjuan Seawright.

Aumentando a pressão sobre a administração para suavizar a sua posição pró-Israel, alguns democratas têm votado em protesto contra Biden nas primárias em estados como Michigan, Minnesota e Wisconsin.

Mark Burton, ex-estrategista-chefe da governadora de Michigan, Gretchen Whitmer (D), disse que o ataque contra os trabalhadores humanitários foi um “ponto crucial” para Biden, mas sugeriu que o pivô poderia ter ocorrido mais cedo.

“Acho que parte da frustração que as pessoas estão sentindo em termos da questão como um todo e em termos da postura do presidente e da Casa Branca em relação a ela é que foi um ato flagrante”, disse Burton. “Isso foi sentido em todo o mundo. Mas houve outros casos que… provavelmente deveriam ter se tornado pontos centrais há muito tempo.”

Biden também enfrentou críticas por parte de aliados no Congresso pela maneira como lidou com a guerra no Oriente Médio.

O senador Chris Van Hollen (D-Md.) Disse no domingo que, embora estivesse feliz em ver Biden ameaçar Netanyahu com consequências por não se concentrar nas necessidades humanitárias, ele deseja que a Casa Branca descreva quais seriam as repercussões.

O senador Bernie Sanders (I-Vt.) Também pressionou Biden a cortar a ajuda militar a Israel devido às baixas civis, dizendo ao “Pod Save America” na quinta-feira: “A ideia de que estamos enviando bombas, a ideia de que estamos enviando dinheiro para Netanyahu é para mim, repreensível.”

Sanders acrescentou, porém, que seu argumento para os democratas é continuar apoiando Biden.

“Tudo o que peço é que não vamos piorar ainda mais uma situação horrível. Trump será pior nessa questão, e muito menos em todas as outras questões”, disse Sanders.

Favreau, promovendo a entrevista com Sanders, destacou a diferença entre divergências políticas e a recusa de apoio a Biden.

“Bernie apresenta um dos melhores argumentos para a reeleição de Biden que já ouvi de um substituto, mesmo sendo crítico de sua política em Gaza (sim, ambas as coisas são bem possíveis!)”, escreveu o redator do discurso de Obama no X.

« Última modificação: Domingo, 14 de Abril, 2024 - 18h03 por feliphex »
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #13 em: Quinta, 25 de Abril, 2024 - 17h20 »
Trump operation asks Republicans who use him for fundraising to share the haul

A memo from Trump's campaign managers asks anyone using his name, image or likeness to raise money to donate at least 5% of the proceeds to his fundraising committee.

A operação do Trump pede aos republicanos que usam ele para arrecadação de fundos que compartilhem o lucro

Um memorando dos gerentes de campanha de Trump pede que qualquer pessoa que use seu nome, imagem ou imagem para arrecadar dinheiro doe pelo menos 5% dos lucros ao seu comitê de arrecadação de fundos.

17 de abril de 2024
By Alexandra Marquez

(tradução by feliphex)

link original => https://www.nbcnews.com/politics/2024-election/trump-operation-asks-republicans-use-fundraising-share-haul-rcna148272

A operação de campanha do ex-presidente Donald Trump está pedindo a todos os candidatos menos favorecidos ou grupos republicanos que usam o nome, imagem ou algo parecido de Trump em solicitações de arrecadação de fundos que doem parte do dinheiro ao principal comitê de arrecadação de fundos de Trump.

De acordo com um memorando obtido pela NBC News de uma fonte que o recebeu, os co-gerentes de campanha de Trump, Susie Wiles e Chris LaCivita, solicitaram uma divisão de "um mínimo de 5% de todas as solicitações de arrecadação de fundos ao Comitê Nacional Trump JFC. Isso inclui, mas não se limita ao envio para casa de arquivo, prospecção de fornecedores e publicidade."

O memorando acrescenta: “Qualquer divisão superior a 5% será vista favoravelmente pela RNC e pela campanha do Presidente Trump e é rotineiramente reportada aos mais altos níveis de liderança dentro de ambas as organizações”.

A carta, enviada na segunda-feira, pedia aos candidatos e comissões que seguissem as diretrizes a partir de terça-feira. O Politico foi o primeiro a relatar o memorando.

Além da diretiva sobre a divisão da arrecadação de fundos ao usar o nome, imagem e algo parecido de Trump para arrecadar dinheiro, LaCivita e Wiles emitiram várias diretrizes adicionais para campanhas e comitês que usam Trump para seus próprios fins.

Eles proíbem as campanhas de "falar em nome do Presidente Trump... questionar o apoio dos leitores ao Presidente Trump ou vincular o seu apoio a uma contribuição financeira... criar novas associações, clubes ou prêmio que não sejam autorizadas pela campanha... personificando o presidente Trump ou sua campanha" e muito mais.

Os conselheiros de Trump há muito que lutam com grupos que angariam dinheiro com o seu nome sem autorização, enquanto outras figuras da direita procuravam capitalizar o seu apelo aos pequenos doadores.

A campanha de Trump e o RNC ficaram atrás da campanha de reeleição do presidente Joe Biden e do Comitê Nacional Democrata na arrecadação de fundos.

A campanha de Trump alertou que os fornecedores digitais que desobedecerem às diretrizes do menu enfrentarão consequências, incluindo a exclusão dos negócios partidários.

“As violações repetidas resultarão na suspensão das relações comerciais entre o fornecedor e o JFC do Comitê Nacional Trump. Isso inclui contratos de aluguel de lista”, diz o memorando. “Como principais fornecedores digitais republicanos, pedimos que vocês informem seus clientes sobre essas novas diretrizes e que usem seu bom senso ao mencionar o presidente Trump”.



John Legend says Trump believes ‘to his core’ that ‘Black people are inferior’

John Legend diz que Trump acredita “até o fundo” que “os negros são inferiores”

BY CHEYANNE M. DANIELS - 22/04/24

(tradução by feliphex)

link original => https://thehill.com/blogs/in-the-know/4611098-john-legend-trump-black-people-racist/

O cantor John Legend diz que o ex-presidente Trump é racista “até o fundo”.

Falando a Jen Psaki da MSNBC no domingo, Legend falou sobre a resposta de Trump aos protestos Black Lives Matter após o assassinato de George Floyd em 2020.

“Quando protestamos contra o assassinato de George Floyd, ele defendia que os militares atirassem em nós nas ruas”, disse Legend. “Ele deixou claro ao longo de sua vida que acredita que os negros são inferiores. Tipo, ele acredita nisso, profundamente, até seus ossos.”

De acordo com o então secretário da Defesa, Mark Esper, Trump perguntou às autoridades em 2020 se poderiam atirar nas pernas dos manifestantes durante os distúrbios em todo o país. O general Mark Milley, que foi presidente do Estado-Maior Conjunto em 2020, também disse ao The Wall Street Journal que a ideia de Trump para que a aplicação da lei lidasse com os manifestantes era “quebrar-lhes a cabeça”.

Trump enfrentou acusações de racismo durante e antes de sua carreira política. Ele lançou a sua campanha de 2016 condenando os imigrantes como criminosos e “racistas”, e no início deste ano levantou a hipótese de que “os negros” o apreciam mais por causa das suas acusações criminais.

“E muitas pessoas disseram que é por isso que os negros gostam de mim, porque foram gravemente feridos e discriminados, e na verdade me viam como se estivesse sendo discriminado”, disse Trump na Carolina do Sul em fevereiro. “Tem sido incrível, mas possivelmente, talvez, haja algo lá.”

No domingo, Legend também falou sobre como Trump evitaria alugar unidades em seus edifícios para negros americanos, algo que o FBI detalhou em 2017.

A lenda disse que Trump “acredita em uma hierarquia genética da humanidade e é determinada racialmente”.

Trump, que busca um segundo mandato na Casa Branca, tem trabalhado para cortejar os eleitores negros neste ciclo eleitoral. Em fevereiro, ele participou da gala anual da Federação Conservadora Negra e sugeriu escolher um companheiro de chapa negro.

Trump também afirmou que era o melhor presidente para os afro-americanos. Ele apontou a taxa de desemprego dos negros sob sua administração, o financiamento para faculdades e universidades historicamente negras e a reforma da justiça criminal que foi aprovada durante seu mandato.

Mas a Legend rejeitou estes comentários, particularmente as alegações do sucesso de Trump com a reforma da justiça criminal, salientando que Trump já tinha apelado a que os ladrões de lojas fossem fuzilados no local.

“Ele é um racista comprovado e convicto”, disse Legend. “No fundo de seu ser, ele é um racista. Portanto, não quero ouvir o que ele tem a dizer sobre o que fez pelos negros. Ele fez muito pouco por nós e é, até o fundo, verdadeiramente, verdadeiramente racista.”

Legend, que fez campanha para o presidente Biden em 2020, disse que voltaria à campanha ainda este ano e que a escolha entre os dois candidatos é “muito clara”.

“Tenho idade suficiente para me lembrar de quando Joe Biden esteve no plenário do Senado em 1993 e afirmou que os negros eram ‘predadores’ que não podiam ser reabilitados, ou quando ele disse que não queria que seus filhos frequentassem a escola em uma ‘selva racial’ ou que os pais negros ‘não sabiam ler nem escrever’”, disse a conselheira sênior da campanha de Trump, Lynne Patton, em um comunicado. “Você me mostra quem acredita sinceramente que os negros são inferiores ao seu núcleo – e eu lhe mostrarei Joe Biden.”



Christie worries about Trump ‘vendetta tour’ in second term

Christie se preocupa com a ‘jornada de vingança’ de Trump no segundo mandato

BY FILIP TIMOTIJA - 24/04/24

(tradução by feliphex)

link original => https://thehill.com/homenews/campaign/4617480-christie-worries-about-trump-vendetta-tour-in-second-term/

O ex-governador de Nova Jersey, Chris Christie (R), disse em uma entrevista publicada na quarta-feira que a “jornada de vingança” do ex-presidente Trump se ele ganhar um segundo mandato na Casa Branca é uma “coisa assustadora” para os Estados Unidos.

Christie, que apoiou Trump durante sua campanha presidencial em 2016, mas depois concorreu contra ele nas primárias presidenciais republicanas de 2024, disse que seu maior medo é que Trump vá atrás de seus inimigos na Casa Branca e que ninguém seja capaz de detê-lo.

“Não haverá ninguém por perto para colocar grades de proteção e ele estará em uma jornada de vingança contra todos os inimigos que perceber”, disse Christie em entrevista ao The Washington Post. “E isso é uma coisa assustadora para o país.”

Apesar desses sentimentos em relação a Trump, Christie disse que não votará no presidente Biden em novembro.

“Acho que não, não”, disse Christe. “O presidente Biden, na minha opinião, já passou do prazo de validade. Sério, olhe para ele. Se o povo americano for estúpido o suficiente para nomear esses dois caras, não significa que eu também tenha que ser estúpido.”

Ele disse que Biden não ligou para ele para pedir seu apoio.

“É muito estúpido da parte dele não o fazer”, disse Christie, que encerrou a sua candidatura à Casa Branca em janeiro, depois de fazer campanha como o candidato anti-Trump mais declarado nas primárias do Partido Republicano.

O ex-governador de Nova Jersey estava jogando com uma possível candidatura de terceiros à No Labels, uma organização centrista de acesso às urnas, mas acabou recusando a possibilidade porque não via um caminho a seguir.

“Ninguém que colocamos, inclusive eu, obteve mais de 17 por cento. Então o que acontece é que [os eleitores] adoram a ideia de alguém que não seja Trump ou Biden, mas depois… uma vez que você [apresenta uma alternativa], eles não querem ouvi-la”, disse Christie ao Post. “Nós olhamos isso bem de perto. Não havia caminho para vencer.”



Government watchdog alleges Trump campaign broke the law trying to hide legal payments

Fiscalizador do governo alega que a campanha de Trump violou a lei ao tentar ocultar pagamentos legais

Zac Anderson USA TODAY 24 de abril de 2024
 
(tradução by feliphex)

link original => https://www.usatoday.com/story/news/politics/elections/2024/04/24/donald-trump-campaign-legal-bills-complaint/73444749007/

Uma queixa apresentada à Comissão Eleitoral Federal alega que a campanha de Donald Trump na Casa Branca em 2024 e os seus comitês políticos relacionados se envolveram num esquema para ocultar quem está sendo pago por grande parte do trabalho jurídico do ex-presidente, numa possível violação da lei federal.

A denúncia apresentada quarta-feira pelo Campaign Legal Center, um órgão de fiscalização do governo sem fins lucrativos, centra-se em uma empresa chamada Red Curve Solutions, que supostamente recebeu US$ 7,2 milhões da campanha de Trump e quatro outros comitês políticos relacionados entre 7 de dezembro de 2022 e 18 de março de 2024, de acordo com um comunicado de imprensa da CLC.

A Red Curve Solutions ajuda campanhas políticas com uma gama de serviços, incluindo “orçamento abrangente, gestão contábil e financeira e serviços de conformidade”, de acordo com a página da empresa no LinkedIn.

As campanhas muitas vezes pagam organizações externas para gerir pesquisas, consultoria ou outras necessidades. O Campaign Legal Center disse em seu comunicado de quarta-feira que praticamente todos os pagamentos da campanha e dos comitês de Trump são descritos como “Reembolso de Honorários Jurídicos” ou “Reembolso de Despesas Jurídicas”.

No entanto, a Red Curve “não parece oferecer quaisquer serviços jurídicos”, observa a CLC, ao mesmo tempo que salienta que a Red Curve é gerida por Bradley Crate, o mesmo indivíduo que serve como tesoureiro da campanha de Trump e dos outros quatro comitês.

“O acordo parece concebido para ocultar os verdadeiros destinatários de uma parte notável dos projetos de lei legais de Trump e ao fazê-lo, parece violar a lei federal”, afirmou a organização.

“A Red Curve parece estar à frente dos custos legais para Trump desde pelo menos dezembro de 2022, com comitês afiliados a Trump reembolsando a empresa mais tarde”, diz CLC no comunicado. “Este acordo parece violar as regras da FEC que exigem que as campanhas divulguem não apenas a entidade que está sendo reembolsada (aqui, Red Curve), mas também o fornecedor subjacente.”

Este tipo de acordo proibiria o público de saber que escritórios de advogados estão a ser pagos por grande parte do trabalho jurídico de Trump e quanto, argumenta a CLC, e também pode violar uma proibição federal de contribuições políticas corporativas. Como uma sociedade de responsabilidade limitada, a Red Curve "seria legalmente proibida de fazer quaisquer contribuições, tais como uma contribuição em espécie ou adiantamento, para a campanha de Trump e qualquer outro comitê de 'dinheiro bruto' - mesmo que esse pagamento ou adiantamento seja totalmente reembolsado. "

A campanha de Trump não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Também mencionados na reclamação estão o Comitê Conjunto de Arrecadação de Fundos Trump Save America, o comitê de liderança Save America, o Comitê Trump Make America Great Again e o Make America Great Again PAC.

Especialistas em financiamento de campanha levantaram questões sobre o uso de fundos de campanha por Trump para pagar suas extensas contas legais. A Save America gastou US$ 76 milhões em honorários advocatícios, de acordo com uma análise do USA TODAY.

A campanha de Trump também tem canalizado dinheiro para seus negócios num momento em que ele está sob sério escrutínio jurídico e precisa de dinheiro, pois enfrenta julgamentos importantes em processos civis e quatro processos criminais separados.

Um relatório da FEC apresentado este mês mostra que o comitê conjunto de arrecadação de fundos de Trump emitiu três cheques em fevereiro e um em março para seu clube Mar-a-Lago em Palm Beach, Flórida, totalizando US$ 411.287 e outro em março para o Trump National Doral Miami no valor de US$ 62.337.

Trump pagou uma fiança de US$ 91,6 milhões em um caso de difamação movido pelo escritor E. Jean Carroll, e uma fiança de US$ 175 milhões em um caso de fraude envolvendo falsificação de registros comerciais.

Trump está atualmente sendo julgado na cidade de Nova York por acusações criminais decorrentes de supostos pagamentos secretos a uma estrela de cinema adulto para esconder um caso.

A FEC tem vários poderes, mas geralmente impõe multas. No entanto, os impasses nas votações partidárias são comuns e significam que certas áreas cinzentas da lei não são aplicadas.
« Última modificação: Quinta, 25 de Abril, 2024 - 17h22 por feliphex »
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #14 em: Quinta, 25 de Abril, 2024 - 23h24 »
Charge: Diário Carioca Assina: Jota Camelo



(relacionado a mulher que levou o tio morto para pegar um empréstimo)
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #15 em: Quinta, 02 de Maio, 2024 - 18h28 »
Trump não descarta violência caso seja derrotado nas eleições deste ano

Declarações foram feitas em uma ampla entrevista com a revista Time que foi publicada na terça-feira (30)

Steve Contorno e Kate Sullivan da CNN
01/05/2024


https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/eleicoes-nos-eua-2024/trump-nao-descarta-violencia-caso-seja-derrotado-nas-eleicoes-deste-ano/


Trump diz que só aceitará o resultado da eleição ‘se tudo for honesto

Ex-presidente tem feito falsas alegações de que os democratas querem que pessoas sem cidadania votem e influenciem a eleição americana

Rashard Rose e Kate Sullivan da CNN
02/05/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/eleicoes-nos-eua-2024/trump-diz-que-so-aceitara-o-resultado-da-eleicao-se-tudo-for-honesto/



‘Frustrated’ ex-Trump aide says she won’t vote for former president

Ex-assessora ‘frustrada’ de Trump diz que não votará no ex-presidente

BY TARA SUTER - 30/04/24

(tradução by feliphex)

link original => https://thehill.com/homenews/campaign/4632165-sarah-matthews-former-donald-trump-aide-vote-joe-biden-2024/

Sarah Matthews, ex-funcionária do ex-presidente Trump, disse na segunda-feira que não votaria em seu ex-chefe em novembro, sinalizando que poderia votar no presidente Biden.

“Quando temos um candidato nas urnas que não defende a Constituição, sinto que devo deixar a política de lado”, disse Matthews no programa “Inside with Jen Psaki” da MSNBC.

“E quero apoiar a pessoa mais adequada para derrotar Donald Trump”, acrescentou ela no clipe, destacado pela Mediaite.

Seus comentários contrastam com alguns outros ex-assessores de Trump. O ex-procurador-geral Bill Barr, que se tornou um crítico frequente do ex-presidente após deixar o cargo, disse no início deste mês que votaria a favor da “chapa republicana” em novembro.

“Acho que é meu dever escolher a pessoa que acho que causaria menos danos ao país”, disse Barr no “America’s Newsroom” da Fox News. “E na minha opinião, isso é – votarei na chapa republicana.”

Matthews disse que conversou com muitos republicanos, incluindo autoridades eleitas de alto escalão, que “atacam” Trump em particular. Mas, acrescentou ela, “muitos deles nem sequer dirão isso publicamente”.

“O que costumam dizer é que o apoiam por causa das políticas, que querem a agenda conservadora. E o que me deixa realmente frustrada é que eles estão tratando isso como se fosse uma eleição normal, um candidato republicano normal e um candidato democrata normal”, continuou Matthews. “Bem, isso não poderia estar mais longe do caso.”

Após sua decisão de apoiar a chapa republicana, independentemente do candidato, Trump zombou de Barr nas redes sociais.

"Uau! O ex-AG Bill Barr, que decepcionou muitas pessoas importantes por não investigar a fraude eleitoral em nosso país, acaba de me endossar para presidente, apesar de eu tê-lo chamado de 'fraco, lento, letárgico, covarde e preguiçoso' (New York Post!)”, Trump postou no Truth Social na semana passada. “Com base no fato de que aprecio muito seu endosso sincero, estou removendo a palavra ‘letárgico’ da minha declaração. Obrigado, Bill.”

Outro líder republicano que bateu de frente com o ex-presidente também apoiou Trump no mês passado: o líder da minoria no Senado, Mitch McConnell (R-Ky.), Apoiou Trump depois que sua última rival remanescente, a ex-embaixadora das Nações Unidas Nikki Haley, suspendeu sua campanha.

“É bastante claro que o ex-presidente Trump conquistou o apoio necessário dos eleitores republicanos para ser nosso candidato à presidência dos Estados Unidos”, disse o senador em comunicado na época. “Não deveria ser surpresa que, como indicado, ele terá meu apoio.”



Trump claims ‘paid agitators’ part of Columbia pro-Palestinian protests

Trump afirma que ‘agitadores pagos’ fazem parte dos protestos pró-palestinos na Columbia

BY NICK ROBERTSON - 30/04/24

(tradução by feliphex)

link original => https://thehill.com/homenews/education/4634576-donald-trump-claims-paid-agitators-columbia-pro-palestine-protests/

O ex-presidente Trump fez alegações infundadas na terça-feira de que os protestos pró-palestinos na Universidade de Columbia apresentavam “agitadores pagos” à medida que os protestos em campus universitários em todo o país aumentavam.

Centenas de policiais do Departamento de Polícia da cidade de Nova York, muitos com cassetetes e equipamentos de choque, limparam os acampamentos de protesto de Columbia na noite de terça-feira, incluindo a prisão de estudantes que ocupavam um prédio do campus.

Trump afirmou em uma entrevista da Fox News com Sean Hannity durante a operação policial que muitos dos manifestantes não acreditavam no motivo pelo qual protestavam.

“Eu realmente acho que há muitos agitadores pagos, agitadores profissionais aqui também, e vejo tudo isso”, disse ele. “Você sabe, quando você vê placas e elas são todas idênticas. Isso significa que eles estão sendo pagos por uma fonte.”

“Sabe, essas não são placas pintadas à mão onde as pessoas iriam ao porão e pintariam algo porque realmente acreditavam nisso. Todas essas placas são idênticas e feitas pela mesma gráfica”, continuou ele. “E você sabe, quando você vê isso, isso significa que há alguém no topo que está pagando – ou um grupo que está pagando – e eles estão prestando um grande desserviço ao mundo, mas estão prestando um grande desserviço ao nosso país. ”

Não há evidências de que qualquer manifestante na Universidade de Columbia ou em qualquer um dos protestos em todo o país seja um manifestante pago ou não seja um manifestante autêntico.

A resposta da polícia em Columbia ocorre depois de as tensões terem aumentado durante mais de uma semana, desencadeando centenas de protestos semelhantes em todo o país contra a resposta da administração Biden à guerra Israel-Hamas. Os protestos exigiram um cessar-fogo no conflito, o fim da ajuda militar a Israel e que as suas faculdades e universidades se despojassem dos interesses israelitas.

A Colômbia está no centro das atenções políticas nos protestos. O campus recebeu visitas do presidente da Câmara Mike Johnson (R-La.), da governadora de Nova York Kathy Hochul (D) e de vários membros do Congresso de ambos os lados do corredor na última semana.

Legisladores de ambos os partidos pediram a reitora da Universidade de Columbia, Minouche Shafik, que renuncie se os protestos não puderem ser rapidamente reprimidos.

Tanto Trump quanto o presidente Biden denunciaram os protestos, com Trump chamando as manifestações de “uma coisa triste de se ver” na terça-feira, acrescentando ataques contra Biden.

“Temos que voltar às raízes. Temos que proteger – temos que acabar com o antissemitismo que agora permeia o nosso país”, disse Trump. “E Biden tem que fazer alguma coisa. Biden deveria ser a voz do nosso país, e certamente não é uma grande voz.”

Mais de 1.000 estudantes foram presos em todo o país em protestos semelhantes, alguns dos quais incluíram confrontos violentos com a polícia e contramanifestantes.



Trump tries to paint college campus anti-Israel protests as a Biden political liability

Biden aides have said they think the protests will blow over.

Trump tenta pintar os protestos anti-Israel em campus universitários como uma responsabilidade política de Biden

Os assessores de Biden disseram que acham que os protestos vão acabar.

By Peter Nicholas, Monica Alba e Carol E. Lee - 01/05/24

(tradução by feliphex)

link original => https://www.nbcnews.com/politics/2024-election/trump-tries-paint-college-campus-anti-israel-protests-biden-political-rcna150253

WASHINGTON – Os conselheiros de Joe Biden acreditam que as tensões sobre o apoio dos EUA a Israel na guerra em Gaza, que se espalha pelos campi universitários, irão em breve extinguir-se e que não há necessidade nem vantagem para ele intervir mais diretamente.

Por enquanto, Biden está assumindo uma postura indiferente em relação aos distúrbios e não tem planos de intensificar seu envolvimento na escalada de confrontos entre a polícia e os manifestantes, disseram a Casa Branca e conselheiros de campanha, mesmo quando Donald Trump tenta capitalizar a questão.

A opinião de Biden é que cabe aos líderes universitários decidir como lidar com as manifestações nos campi, que estão emergindo como o último ponto crítico na corrida presidencial, disseram os conselheiros. Mantendo essa abordagem, ele não interveio nem se opôs publicamente quando a polícia invadiu o campus da Universidade de Columbia na noite de terça-feira e prendeu cerca de 230 manifestantes, incluindo cerca de 40 que tomaram um edifício e ergueram um acampamento chamando a atenção para a sua exigência de uma cessar-fogo em Gaza.

Dentro do esforço de reeleição de Biden, os conselheiros parecem esperançosos de que os protestos não desviem a atenção da sua mensagem de que a economia está melhorarando e que Biden está proporcionando uma liderança mais competente e estável do que Trump fez como presidente.

O calendário acadêmico pode desempenhar um papel importante à medida que as aulas chegam ao fim no verão. Além disso, um funcionário da Casa Branca disse que o número total de manifestantes é relativamente pequeno e que a guerra entre Israel e o Hamas está longe de ser uma das principais preocupações dos eleitores jovens, que foram uma parte fundamental da coligação eleitoral de Biden em 2020.

Uma pesquisa realizada no mês passado com eleitores com idades entre 18 e 29 anos descobriu que o conflito de Gaza ficou em 15º lugar na lista de questões importantes, observou o funcionário.

A operação política de Trump vê, no entanto, uma abertura. Corey Lewandowski, consultor do Comité Nacional Republicano que anteriormente trabalhou para Trump, disse numa entrevista: “Isto não é bom para os jovens votarem em Biden. Historicamente, os democratas superaram os republicanos entre os eleitores mais jovens. Se for percebido que Joe Biden é brando, ou seja, não enfrenta as pessoas que protestam, isso vai prejudicá-lo.”

Falando na quarta-feira num evento de campanha em Wisconsin, Trump ridicularizou os manifestantes como “lunáticos furiosos e simpatizantes do Hamas” e apelou a Biden para “falar abertamente” – acusando-o de ser “definitivamente contra Israel”.

Trump também mirou na reitora da Columbia, Minouche Shafik, uma das líderes universitárias a quem Biden está apoiando à medida que os protestos no campus se desenrolam.

Numa referência à universidade, Trump disse: “A pessoa que a dirige – uma mulher – esperou tanto tempo. Ela estava tão fraca. Ela estava com tanto medo. Ela era tão ruim."

Um conselheiro de Biden disse: “Donald Trump repetidamente atiçava as chamas e encorajava a agitação civil como estratégia política, e repetidamente falhou em ser eficaz”.

Os protestos no campus representam um dilema para Biden à medida que o ritmo da campanha para as eleições gerais acelera. A posição de Trump é suficientemente simples para caber num adesivo: “As pessoas têm de respeitar a lei e a ordem neste país”, escreveu ele terça-feira nas redes sociais.

A posição de Biden é mais matizada e mais difícil de explicar a um grande público. Ele diz que apoia protestos pacíficos consistentes com a Primeira Emenda, mas não manifestações que resultem em vandalismo, invasão de propriedade e outros crimes.

Tal como os manifestantes, Biden diz acreditar que Israel infligiu demasiada carnificina em Gaza. Ao contrário de alguns deles, ele defende a soberania de Israel e recua diante da ideia de os judeus perderem uma pátria.

Alan Kessler, um arrecadador de fundos democrata que é judeu, disse que Biden defendeu Israel em um discurso ao qual assistiu nos últimos meses. Depois, enquanto conversavam e Kessler elogiava o discurso, Biden disse-lhe: “'Aquilo não foi um discurso; aquilo veio do coração. É nisso que eu realmente acredito’”, lembrou ele, acrescentando: “Ele não sorriu com isso. Ele olhou para mim intensamente.”

Biden parece mais à vontade quando denuncia o assédio antissemita no campus. Ele deve fazer um discurso na terça-feira em uma cerimônia em comemoração ao Holocausto.

Altos funcionários da Casa Branca têm amplificado a sua mensagem. Douglas Emhoff, marido da vice-presidente Kamala Harris, disse quarta-feira em um evento em Nova York: "Somos a favor do direito de protestar. Mas quando isso se transforma em violência - quando isso se transforma em apelos ao genocídio, apelos aos judeus serem assassinados – isso é completamente inaceitável e deve ser impedido.”

Os críticos de ambos os partidos, porém, insistem que a administração Biden não foi suficientemente proativa na criação de uma atmosfera segura para os estudantes no campus. O deputado Josh Gottheimer, DN.J., enviou uma carta na semana passada apelando ao secretário de educação de Biden, Miguel Cardona, para ser mais agressivo na investigação de queixas de anti-semitismo no campus.

Depois de uma reunião com estudantes judeus em Columbia na semana passada, o presidente da Câmara, Mike Johnson, R-La., disse à NBC News que Biden “não tomou medidas decisivas”.

“Ele é o presidente dos Estados Unidos”, disse Johnson. “Ele tem o maior megafone do nosso país e precisa usá-lo. Ele precisa chamar a atenção para o que está errado e o que é perigoso. Acho que ele estará abandonando seu dever se não o fizer.”

Os protestos no campus de 2024 encerraram outro conjunto de protestos que atormentaram Trump no último ano de seu mandato. Em 2020, Trump irritou-se com as manifestações que eclodiram em todo o país devido ao assassinato de um homem negro, George Floyd, por um policial branco, em Minneapolis.

Trump acreditava que os protestos faziam os EUA parecerem “fracos” e queria convocar os militares para derrotar os manifestantes, disseram ex-nomeados.

Biden, candidato na altura, aproveitou o momento para reunir os eleitores negros e para mostrar as suas diferenças temperamentais e de gestão com Trump.

Quatro dias após o assassinato de Floyd, Biden fez um discurso ao vivo a partir de sua casa e depois deu uma série de entrevistas televisivas para condenar a sua morte e discutir a discriminação sistêmica contra os afro-americanos.

“Não é hora para tweets incendiários. Não é hora de encorajar a violência. É uma crise nacional. Precisamos de uma verdadeira liderança neste momento, uma liderança que traga todos à mesa para que possamos tomar medidas para erradicar o racismo sistêmico”, disse ele no seu discurso.

Um dia depois, Biden deixou sua casa em Wilmington, Delaware, pela segunda vez após o início dos bloqueios da pandemia de Covid para visitar uma área de Wilmington que havia visto alguns tumultos durante as manifestações de Floyd.
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #16 em: Quarta, 08 de Maio, 2024 - 16h11 »
Biden relaciona ataque do Hamas ao Holocausto e alerta contra antissemitismo nos EUA

Presidente alertou para esquecimento do Holocausto e criticou protestos em campi universitários

Michael Williams da CNN
07/05/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/joe-biden-diz-que-nao-ha-lugar-para-antissemitismo-nos-eua/



Trump acusa Biden de comandar “governo da polícia nazista”, diz imprensa dos EUA

Campanha de Joe Biden afirmou que comentários sublinham raiva e desejo de vingança do candidato republicano

Doina Chiacu da Reuters
05/05/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/eleicoes-nos-eua-2024/trump-acusa-biden-de-comandar-governo-da-policia-nazista-diz-imprensa-dos-eua/



Empresa de contabilidade de grupo de Trump é acusada de fraude massiva

Comissão de Valores Imobiliários dos EUA afirmou que BF Borgers cometeu “falhas deliberadas e sistêmicas”

Matt Egan da CNN em Nova York
03/05/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/eleicoes-nos-eua-2024/trump-acusa-biden-de-comandar-governo-da-policia-nazista-diz-imprensa-dos-eua/



Former RNC chair: Trump ‘afraid of losing,’ most important thing to him ‘is his ego’

Ex-presidente do RNC (Comitê Nacional Republicano): Trump ‘com medo de perder’, a coisa mais importante para ele ‘é seu ego’

BY LAUREN IRWIN - 04/05/24

(tradução by feliphex)

link original => https://thehill.com/homenews/campaign/4643328-former-rnc-chair-trump-afraid-of-losing/

O ex-presidente do Comitê Nacional Republicano (RNC), Michael Steele, criticou duramente a incapacidade do ex-presidente Trump de admitir que perdeu a última eleição presidencial e disse que ele tem medo de perder a próxima, em novembro, porque isso atingirá a coisa mais importante para ele: seu ego.

“Donald Trump tem medo de perder, porque isso atinge o cerne daquilo que é mais importante para ele, que é o seu ego, e ele não quer fazer o trabalho para realmente vencer”, disse Steele no programa “The Weekend” da MSNBC. .” “Ele quer incitar, persuadir e intimidar as pessoas para que acreditem em algo sobre nosso sistema [eleitoral] porque ele é um homem muito fraco para realmente sair e fazer campanha como qualquer outro candidato normal que sairia e faria campanha.”

Os comentários de Steele seguem uma entrevista com o ex-presidente, que se recusou a se comprometer a aceitar os resultados das eleições de novembro em Wisconsin. Trump disse que “aceitaria de bom grado os resultados” da eleição “se tudo for honesto”.

Steele rebateu, dizendo que as eleições nos EUA são seguras. Olhando historicamente, disse Steele, se Trump pensar em todas as eleições passadas, a única que é “a menos honesta e a mais corrupta” é aquela que ele perdeu, isso “apenas mostra a falácia do que o homem está expondo lá."

Trump afirmou falsamente ao The Milwaukee Journal Sentinel na entrevista que ele ganhou em Wisconsin em 2020, duplicando as alegações incorretas de que houve fraude eleitoral generalizada no estado e outros.

Ele se recusou repetidamente a se comprometer a aceitar os resultados eleitorais, desde o final da corrida de 2020. Mesmo depois da violência ocorrida em 6 de janeiro de 2021, Trump hesitou sobre se aceitará os resultados neste outono, quando enfrentará o presidente Biden pela segunda vez.

Steele disse que se Trump perder novamente, não será porque o sistema esteja fraudado, mas “porque mais pessoas votaram contra você do que a favor e nosso sistema eleitoral confirma isso”.



Biden Exaggerates His Work To Reform Marijuana Policy

Biden has not delivered on his promise to decriminalize marijuana.

Biden exagera sobre seu trabalho para reformar a política sobre a maconha

Biden não cumpriu sua promessa de descriminalizar a maconha.

JACOB SULLUM - DA EDIÇÃO DE JUNHO DE 2024

(tradução by feliphex)

link original => https://reason.com/2024/05/06/biden-exaggerates-marijuana-reforms/

Em um vídeo de campanha dirigido a “jovens eleitores” que ela publicou no X (antigo Twitter) em Fevereiro, a vice-presidente Kamala Harris gabou-se de que “mudamos a política federal sobre a maconha, porque ninguém deveria ter de ir para a cadeia só por fumar erva”. Durante seu discurso sobre o Estado da União em março, o presidente Joe Biden disse que estava “eliminando milhares de condenações pelo mero porte [de maconha], porque ninguém deveria ser preso por simplesmente usar ou ter isso em sua ficha”.

Nenhuma das afirmações era precisa. Não é surpreendente que Biden e Harris tentassem motivar os eleitores mais jovens, cuja participação poderia ser crucial para a sua reeleição, destacando a “reforma da maconha” da sua administração, uma vez que esses eleitores são esmagadoramente a favor da legalização. Mas os passos dados por Biden ficam muito aquém desse objetivo e a descrição que faz deles exagera o que conseguiram.

Durante sua campanha de 2020, Biden prometeu “descriminalizar o uso de cannabis” e “eliminar automaticamente todas as condenações anteriores por uso de cannabis”. Ele não cumpriu nenhuma das promessas, o que exigiria nova legislação.

Em outubro de 2022, Biden anunciou um perdão em massa para pessoas condenadas por simples porte de maconha de acordo com a lei federal e instruiu o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) a revisar a classificação da droga de acordo com a Lei de Substâncias Controladas. Nenhuma dessas medidas realmente “mudou a política federal sobre a maconha”. Nem libertaram nenhum prisioneiro (porque os indultos excluíam pessoas condenadas por cultivar ou vender maconha), não limparam a ficha de ninguém (porque os indultos não implicam expurgo) ou não impediram prisões por porte de maconha, que sob a lei federal continua sendo uma contravenção punível com uma pena mínima. Multa de US$ 1.000 e até um ano de prisão.

Em última análise, o HHS recomendou que a Administração de Repressão às Drogas (DEA) transferisse a maconha para a Tabela III, uma categoria que inclui medicamentos prescritos como cetamina, Tylenol com codeína e esteróides anabolizantes. Supondo que a DEA siga essa recomendação, as consequências práticas serão modestas.

O reescalonamento da maconha facilitaria a pesquisa médica e permitiria que os fornecedores de cannabis licenciados pelo estado deduzissem despesas comerciais padrão em suas declarações fiscais federais. Mas não descriminalizaria a indústria da canábis nem eliminaria os obstáculos ao financiamento da maconha. Nem eliminaria as deficiências legais perturbadoras da vida desencadeadas pela participação nessa indústria, pelos registos de maconha ou pelo consumo de cannabis. Nem sequer tornaria a maconha legalmente disponível como medicamento sujeito a receita médica, o que exigiria a aprovação regulamentar de produtos específicos.

Mesmo que Biden tivesse o poder de descriminalizar unilateralmente o porte baixo de maconha, essa medida não resolveria a questão central atual da cannabis: o conflito entre a lei federal e as leis dos 38 estados que legalizaram a maconha para uso medicinal, incluindo duas dúzias, contabilizando para a maior parte da população dos EUA, que também permitem o uso recreativo. A resolução desse conflito exigiria a revogação da proibição federal da maconha – uma mudança que Biden se recusou veementemente a apoiar.



Paul Ryan says he won’t vote for Trump: ‘I’m gonna write in a Republican’

Paul Ryan diz que não votará em Trump: ‘Vou votar em um republicano’

BY TARA SUTER - 08/05/24

(tradução by feliphex)

link original => https://thehill.com/homenews/campaign/4650934-paul-ryan-donald-trump-2024-election-voting/

O ex-presidente da Câmara, Paul Ryan (Republicano-Wisconsin), Disse na terça-feira que não planeja votar no ex-presidente Trump em novembro, sugerindo que, em vez disso, votaria em outro candidato.

“O caráter é muito importante para mim”, disse Ryan, que deixou o Congresso em 2019, ao Yahoo Finance na Milken Global Institute Conference. “E é um trabalho que exige o tipo de caráter que ele simplesmente não tem.”

“Dito isto, discordo realmente [do presidente Biden] em termos de política”, acrescentou. “Votei em um republicano da última vez, vou votar em um republicano desta vez.”

Ryan, o chefe da maioria republicana na Câmara durante os primeiros dois anos de Trump na Casa Branca, tornou-se um crítico veemente do ex-presidente. Ele argumentou que Trump não é um “conservador”, mas sim um “narcisista autoritário”, e apoiou os ex-deputados Liz Cheney (R-Wyo.) e Adam Kinzinger (R-Ill.) por enfrentarem o ex-presidente.

“Historicamente falando, todas as suas tendências são basicamente para onde o narcisismo o leva, que é tudo o que o torna popular, o faz se sentir bem em um determinado momento”, disse Ryan em entrevista no final do ano passado.

“Ele não pensa em termos conservadores liberais clássicos”, continuou ele na época. “Ele pensa de forma autoritária e conseguiu que uma grande parte da base republicana o seguisse porque ele é o guerreiro cultural.”

O ex-presidente também afirmou que é “muito claro” que Biden venceu as eleições de 2020, apesar das reivindicações comuns do ex-presidente e dos seus aliados em contrário.

“Não foi fraudado. Não foi roubado”, disse Ryan em entrevista em 2021. “Donald Trump perdeu a eleição. Joe Biden venceu a eleição. Está muito claro.”

Ryan deixou o Congresso depois de servir 20 anos representando o 1º Distrito de Wisconsin. Ele também foi companheiro de chapa do senador Mitt Romney (R-Utah) nas eleições presidenciais de 2012.

Romney, que anunciou em setembro que se aposentaria do Senado no final do seu mandato, também emergiu recentemente como um forte crítico do ex-presidente.

The Hill entrou em contato com a campanha de Trump para comentar.



« Última modificação: Quarta, 08 de Maio, 2024 - 16h15 por feliphex »
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #17 em: Terça, 21 de Maio, 2024 - 17h31 »
Trump posta vídeo falando em “Reich unificado” se for reeleito

O termo “reich” é frequentemente associado à Alemanha nazista sob Adolf Hitler, que designou a Alemanha como “Terceiro Reich” de 1933 a 1945

Colin McCullough da CNN
21/05/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/trump-posta-video-falando-em-reich-unificado-se-for-reeleito/



Trump pede que Biden faça teste de drogas antes de debate presidencial

Republicano também pediu a testagem nas eleições de 2020

Por iG Último Segundo
18/05/2024

https://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2024-05-18/trump-pede-que-biden-faca-teste-de-drogas-antes-de-debate-presidencial.html



Biden chama Trump de “perturbado” e obcecado por derrota em 2020

Presidente disse que está tranquilo com disputa acirrada

Samantha Waldenberg da CNN
12/05/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/biden-chama-trump-de-perturbado-e-obcecado-por-derrota-em-2020/



Biden brinca e diz que Trump deveria ter injetado água sanitária em si mesmo

A fala relembra um dos momentos mais desconcertantes de Trump durante a pandemia do coronavírus.

Reuters
10/05/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/biden-brinca-e-diz-que-trump-deveria-ter-injetado-agua-sanitaria-em-si-mesmo/



'Ditador idiota': ex-advogado de Trump é questionado por insultos ao ex-presidente dos EUA durante julgamento criminal

Michael Cohen trabalhou por mais de dez anos com o ex-presidente dos EUA. Ele era uma espécie de 'resolvedor de problemas'. Ele já foi condenado pela Justiça federal e preso por vários crimes, inclusive pelo pagamento a Stormy Daniels, e já mentiu ao testemunhar.

Por g1
15/05/2024

https://g1.globo.com/mundo/noticia/2024/05/15/ditador-idiota-ex-advogado-de-trump-e-questionado-por-insultos-ao-ex-presidente-dos-eua-durante-julgamento-criminal.ghtml



Chuck Todd: The missing ingredient to win the 2024 election — a mea culpa

Analysis: Voters don't have to imagine a Biden or Trump presidency. But they might like to hear admissions of mistakes and ideas about how a second term would be different./i]

By Chuck Todd
8-05-2024

(traduza o artigo abaixo da melhor forma possível)

https://www.nbcnews.com/politics/elections/chuck-todd-missing-ingredient-win-2024-election-mea-culpa-rcna150837

"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

feliphex

  • Colaborador
  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 26 Fev, 2015
  • Membro: 49350
  • Mensagens: 3 014
  • Tópicos: 962

  • : 104
  • : 70

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #18 em: Segunda, 03 de Junho, 2024 - 17h33 »
Vídeo: Trump é vaiado em Convenção do Partido Libertário

Ex-presidente tenta conquistar apoio do eleitorado libertário para eleições presidenciais que devem ser acirradas

Da Reuters
26/05/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/trump-e-vaiado-em-convencao-do-partido-libertario/



Trump diz que imigrantes ilegais formam “exército” para atacar norte-americanos

Fala aconteceu durante comício no Bronx, bairro com muitos moradores hispânicos e negros

Helen Coster e Nathan Layne da Reuters
24/05/2024

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/trump-diz-que-imigrantes-ilegais-formam-exercito-para-atacar-norte-americanos/
"Pouco com Deus é muito, muito sem Deus é nada!"

djtjroo

  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 04 Ago, 2010
  • Membro: 15406
  • Mensagens: 1 652
  • Tópicos: 441

  • : 11
  • : 81

Re: Eleição presidencial nos EUA - Notícias
« Resposta #19 em: Segunda, 03 de Junho, 2024 - 20h01 »