Autor Tópico: Homenagem - Ariano Suassuna  (Lido 1878 vezes)

0 Membros e 1 visitante estão a ver este tópico.

zegabriel

  • Releaser
  • Postador de Legendas
  • br

  • Registo: 04 Ago, 2009
  • Membro: 7209
  • Mensagens: 869
  • Tópicos: 314

  • : 0
  • : 0

Homenagem - Ariano Suassuna
« em: Segunda, 18 de Junho, 2012 - 16h38 »
Homenagem Ariano Suassuna



Biografia:
Citar
Sexto ocupante da Cadeira nº 32 da Academia Brasileira de Letras, eleito em 3 de agosto de 1989, na sucessão de Genolino Amado e recebido em 9 de agosto de 1990 pelo Acadêmico Marcos Vinicios Vilaça.

Ariano Vilar Suassuna nasceu em Nossa Senhora das Neves, hoje João Pessoa (PB), em 16 de junho de 1927, filho de Cássia Villar e João Suassuna. No ano seguinte, seu pai deixa o governo da Paraíba e a família passa a morar no sertão, na Fazenda Acauhan.

Com a Revolução de 30, seu pai foi assassinado por motivos políticos no Rio de Janeiro e a família mudou-se para Taperoá, onde morou de 1933 a 1937. Nessa cidade, Ariano fez seus primeiros estudos e assistiu pela primeira vez a uma peça de mamulengos e a um desafio de viola, cujo caráter de “improvisação” seria uma das marcas registradas também da sua produção teatral.

A partir de 1942 passou a viver no Recife, onde terminou, em 1945, os estudos secundários no Ginásio Pernambucano e no Colégio Osvaldo Cruz. No ano seguinte iniciou a Faculdade de Direito, onde conheceu Hermilo Borba Filho. E, junto com ele, fundou o Teatro do Estudante de Pernambuco. Em 1947, escreveu sua primeira peça, Uma Mulher Vestida de Sol. Em 1948, sua peça Cantam as Harpas de Sião (ou O Desertor de Princesa) foi montada pelo Teatro do Estudante de Pernambuco. Os Homens de Barro foi montada no ano seguinte.

Em 1950, formou-se na Faculdade de Direito e recebeu o Prêmio Martins Pena pelo Auto de João da Cruz. Para curar-se de doença pulmonar, viu-se obrigado a mudar-se de novo para Taperoá. Lá escreveu e montou a peça Torturas de um Coração em 1951. Em 1952, volta a residir em Recife. Deste ano a 1956, dedicou-se à advocacia, sem abandonar, porém, a atividade teatral. São desta época O Castigo da Soberba (1953), O Rico Avarento (1954) e o Auto da Compadecida (1955), peça que o projetou em todo o país e que seria considerada, em 1962, por Sábato Magaldi “o texto mais popular do moderno teatro brasileiro”.

Em 1956, abandonou a advocacia para tornar-se professor de Estética na Universidade Federal de Pernambuco. No ano seguinte foi encenada a sua peça O Casamento Suspeitoso, em São Paulo, pela Cia. Sérgio Cardoso, e O Santo e a Porca; em 1958, foi encenada a sua peça O Homem da Vaca e o Poder da Fortuna; em 1959, A Pena e a Lei, premiada dez anos depois no Festival Latino-Americano de Teatro.

Em 1959, em companhia de Hermilo Borba Filho, fundou o Teatro Popular do Nordeste, que montou em seguida a Farsa da Boa Preguiça (1960) e A Caseira e a Catarina (1962). No início dos anos 60, interrompeu sua bem-sucedida carreira de dramaturgo para dedicar-se às aulas de Estética na UFPe. Ali, em 1976, defende a tese de livre-docência A Onça Castanha e a Ilha Brasil: Uma Reflexão sobre a Cultura Brasileira. Aposenta-se como professor em 1994.

Membro fundador do Conselho Federal de Cultura (1967); nomeado, pelo Reitor Murilo Guimarães, diretor do Departamento de Extensão Cultural da UFPe (1969). Ligado diretamente à cultura, iniciou em 1970, em Recife, o “Movimento Armorial”, interessado no desenvolvimento e no conhecimento das formas de expressão populares tradicionais. Convocou nomes expressivos da música para procurarem uma música erudita nordestina que viesse juntar-se ao movimento, lançado em Recife, em 18 de outubro de 1970, com o concerto “Três Séculos de Música Nordestina – do Barroco ao Armorial” e com uma exposição de gravura, pintura e escultura. Secretário de Cultura do Estado de Pernambuco, no Governo Miguel Arraes (1994-1998).

Entre 1958-79, dedicou-se também à prosa de ficção, publicando o Romance d’A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta (1971) e História d’O Rei Degolado nas Caatingas do Sertão / Ao Sol da Onça Caetana (1976), classificados por ele de “romance armorial-popular brasileiro”.

Ariano Suassuna construiu em São José do Belmonte (PE), onde ocorre a cavalgada inspirada no Romance d’A Pedra do Reino, um santuário ao ar livre, constituído de 16 esculturas de pedra, com 3,50 m de altura cada, dispostas em círculo, representando o sagrado e o profano. As três primeiras são imagens de Jesus Cristo, Nossa Senhora e São José, o padroeiro do município.

Membro da Academia Paraibana de Letras e Doutor Honoris Causa da Faculdade Federal do Rio Grande do Norte (2000).

Em 2004, com o apoio da ABL, a Trinca Filmes produziu um documentário intitulado O Sertão: Mundo de Ariano Suassuna, dirigido por Douglas Machado e que foi exibido na Sala José de Alencar.

Ariano Suassuna

http://www.youtube.com/watch?v=nNwEfhzV78g#

Citar
Programa traz entrevistas com o escritor em diversas fases de sua carreira e trechos de adaptações de suas
histórias para o cinema e o teatro, que ajudam a entender melhor o universo mágico de suas criações.

Roda Viva - Ariano Suassuna

http://www.youtube.com/watch?v=FkR_qqmaLk8#

Citar
Com apresentação de Cunha Jr, estiveram na bancada para entrevistar o escritor Ricardo Soares, Alvaro De Melo Salmito, Antonio Nóbrega, Rinaldo Gama, Marici Salomão e Francisco De Oliveira.

Aula Espetáculo com Ariano Suassuna | SESC Vila Mariana

http://www.youtube.com/watch?v=yobZ3G9n6ho#

Citar
Vídeo da Aula Espetáculo com Ariano Suassuna que aconteceu dia 30/4/2011 no teatro do SESC Vila Mariana e com transmissão AO VIVO pelo Portal SESCSP

Ariano Suassuna fala da vida e suas obras (bloco 1)

http://www.youtube.com/watch?v=-S4KulWYLQI#

Ariano Suassuna fala da vida e suas obras (bloco 2)

http://www.youtube.com/watch?v=Z5HxQzDKdBQ#

Citar
Ariano fala sobre o teatro brasileiro e a cultura popular pernambucana. Diz que tudo pode ser administrado sem nos deixar subornar. O autor comenta quando foi secretário da Cultura de Pernambuco durante o governo de Miguel Arraes.

A Conversão - Ariano Suassuna

http://www.youtube.com/watch?v=Q9D_q-pRCus#

Citar
Ariano Suassuna contando historia.


O Auto da Compadecida /Sem Cortes

http://www.youtube.com/watch?v=yqbKJCxJ49k#

Citar
No vilarejo de Taperoá, sertão da Paraíba, na década de 1930, o esperto João Grilo (Matheus Nachtergaele) e seu amigo Chicó (Selton Mello), covarde e mentiroso, são dois nordestinos sem eira nem beira que andam pelas ruas anunciando A Paixão de Cristo, "o filme mais arretado do mundo". A sessão é um sucesso, eles conseguem alguns trocados, mas a luta pela sobrevivência continua. João Grilo e Chicó empregam-se na padaria de Eurico (Diogo Vilela), cuja esposa, a fogosa Dora (Denise Fraga) adora um homem bravo, trai o marido e é mais devotada à cadela Bolinha do que ao esposo. Chicó envolve-se com Dora, mas a chegada da bela Rosinha (Virgínia Cavendish), filha de Antonio Moraes (Paulo Goulart), desperta a paixão de Chicó, e ciúmes do cabo Setenta (Aramis Trindade) e de Vincentão (Bruno Garcia), o valentão da cidade. Os planos da dupla, que envolvem o casamento entre Chicó e Rosinha e a posse de uma porca de barro recheada de dinheiro, dote da bisavó de Rosinha para a moça, são interrompidos pela chegada do cangaceiro Severino (Marco Nanini) e a morte de João Grilo. João Grilo, Eurico, Dora, Padre João (Rogério Cardoso), o Bispo (Lima Duarte) e Severino reencontram-se no Juízo Final, onde serão julgados no Tribunal das Almas por um Jesus negro (Maurício Gonçalves) e pelo diabo (Luís Melo). O destino de cada um deles será decidido pela aparição de Nossa Senhora, a Compadecida (Fernanda Montenegro) e traz um final surpreendente, principalmente para João Grilo.

Curiosidades:

*O Auto da Compadecida foi filmado em Cabaceiras, no sertão da Paraíba, uma cidade próxima a Taperoá, cidade em que as aventuras de João Grilo e Chicó são retratadas na peça teatral de Ariano Suassuna

*Apesar de já ter sido exibida gratuitamente na televisão, a versão para o cinema de O Auto da Compadecida foi um grande sucesso, tendo levado aos cinemas mais de 2 milhões de espectadores.

*João Grilo, personagem central de "O AUTO DA COMPADECIDA" é um "amarelinho" muito do sabido, que veio da Península Ibérica e chegou aqui no Brasil através dos contos tradicionais, sendo absorvido de imediato pela Literatura de Cordel. João Ferreira de Lima, um poeta pernambucano, escreveu no final da década de 1920 o folheto de oito páginas intitulado "AS PALHAÇADAS DE JOÃO GRILO", que seria posteriormente ampliado para 32 páginas por DELMARME MONTEIRO, sob a orientação do editor JOÃO MARTINS DE ATHAYDE, tornando-se o que hoje conhecemos como "AS PROEZAS DE JOÃO GRILO", um dos maiores clássicos da Literatura de Cordel. No site "BACIA DAS ALMAS" (www.baciadasalmas.com), do designer PAULO BRABO, encontramos esse texto sobre o Grilo:
"Mais crimes são cometidos em nome da obediência do que da desobediência. O perigo real são as pessoas que obedecem cegamente qualquer autoridade" (Banksy)