Autor Tópico: O Poder do Machado de Xangô (1976)  (Lido 2601 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

doro_boy

  • Releaser
  • Uploader
  • Postador de Legendas
  • 00

  • Registo: 23 Dez, 2008
  • Membro: 3194
  • Mensagens: 3 438
  • Tópicos: 665

  • : 0
  • : 5

    • .: docsprimus :.
O Poder do Machado de Xangô (1976)
« em: Sábado, 07 de Setembro, 2013 - 02h21 »
Globo Repórter: O Poder do Machado de Xangô


Citação
Co-produção com um canal de televisão Francês, com a orientação do antropólogo Pierre Verger, O Poder do Machado de Xangô é a prova viva de que uma reportagem-documentário de TV pode sim seguir os moldes clássicos do documentário sem cair no desencantamento de seus objetos.

* * *

Sérgio Chapellin abre o programa com um discurso curioso para os moldes atuais do telejornalismo Global: condenam a ignorância das origens sociais, as pretensões reducionistas e afirma a importância da resistência cultural negra no país - em tom quase emotivo, o âncora abre espaço para um dos melhores documentários televisivos já realizados sobre a temática negra no Brasil:

Com uma trilha sonora expressiva, o filme é todo permeado pela voz do narrador mas, surpreendentemente, não se entrega às tentações reducionistas: conta a história da viagem de um homem brasileiro, Balbino, à África de seus antepassados e tenta mostrar mais do que revelar.

O filme esboça os sinais da cultura negra em Salvador, faz um resumo das principais tradições e, num pequeno histórico, chega à expressão máxima dessa resistência cultural: a religião.

São poucos os depoimentos antes que o filme se aproxime de vez de seu personagem principal e sua viagem. Apesar de mediadas pela voz de Chapellin, as imagens começam então a tomar o controle do filme:

São elas, que nos trazem a força dos rituais e os sons das vozes, que nos colocam num espaço de encantamento raro na TV dos dias de hoje. Aos poucos, a voz off também vai se entregando ao espaço imaginário do filme e a descrição dos fatos objetivos dá lugar a frases como: "E então, a mulher entra em transe, possuída por Oxalá..."

Essa afirmação taxativa em torno do que poderia ter sido descrito como crença, ou traduzido para explicações científicas, é uma verdadeira raridade da televisão brasileira. As imagens do culto não recebem qualquer explicação além da nomeação dos orixás presentes e uma certa orientação para os olhares menos acostumados: "Esse que vemos agora é um Egum, Babáologojó". Essas descrições não se tornam monótonas pois são filtradas pela presença significativa de Balbino, o jovem brasileiro que vai à África em busca de um templo de Xangô.

Na cena mais bonita do filme, Balbino, com dificuldades de comunicação com seus antepassados do Benin, começa a cantar um hino de candomblé:

Aos poucos, e isso a câmera observa silenciosamente, os africanos começam a balançar as cabeças, movem seus corpos, dão uma espécie de sorriso e começam a cantar juntos a mesma música de Balbino. Essa imagem por si só, resumiria toda a energia de identidade cultural que o filme carrega.

A partir daí, Balbino começa a descobrir nas ruas os vestígios de suas origens culturais.

Descobre finalmente um templo de Xangô: Lá, a câmera nos mostra com cuidado e paciência os rituais de surgimento de Xangô (aparecido no meio da multidão na imagem de um homem). Xangô (e o documentário o trata assim) caminha no meio da multidão, olha para a câmera...Grita!

Não há Chapellin que resista a essas imagens: "Foi então que Balbino entendeu...Finalmente ele sabia: Balbino era Xangô!...". Essa frase anuncia o último bloco do programa, quando Balbino chega de volta a casa e mostra os presentes trazidos para a família.Caminha por uma Salvador de trios elétricos e vai "descobrindo os nomes de orixás em cada esquina, nomes de lojas, hotéis, restaurantes..."

É então que Balbino se traveste de orixá pela primeira vez e começa a dançar. Sem que nenhum comentário seja feito, o homem Balbino se retorce diante da câmera e recebe Xangô. Não há off que se agüente em sua frieza: "A poderosa herança de Balbino surge diante de nós".

* * *

Chapellin termina o programa com um discurso de defesa não só da diversidade cultural dos povos como com uma espécie de mea culpa Global, baseado num atrapalhado cientificismo: "A própria ciência moderna tem considerado possível a existência de realidades paralelas...".

Impagável justificativa.

Traço de um telejornalismo mais rico e menos reducionista, que não se atém às friezas da mera informação narrada e dá espaço à expressividade insubstituível das imagens e de seus personagens. Um Globo Repórter que embarca em seu tema, e que se deixa levar (quase por inteiro) pela energia própria daquilo sobre o que fala.

Muito diferente do caráter de turistas distanciados, de cientistas imparciais, comum aos atuais programas da emissora. A personagem encantada de Balbino susbstitui a figura do repórter-herói, deixa de lado o expedicionário Global bem comportado.

Bons tempos...

Felipe Bragança

http://www.youtube.com/watch?v=KQC6BmbPQXs#
« Última modificação: Sábado, 07 de Setembro, 2013 - 02h22 por doro_boy »
"Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta."  Carl G. Jung

Projetos:
docsprimus (Blog especializado em documentários)
Grandes Livros (Canal do Youtube)
Coleção 70º Aniversário 2ª Guerra Mundial (Canal do Youtube)
docsprimus documentários (Canal do Youtube)
docsprimus documentários 2 (Canal do Youtube)
docsprimus documentários 3 (Canal do Youtube)
Página no Facebook

doro_boy

  • Releaser
  • Uploader
  • Postador de Legendas
  • 00

  • Registo: 23 Dez, 2008
  • Membro: 3194
  • Mensagens: 3 438
  • Tópicos: 665

  • : 0
  • : 5

    • .: docsprimus :.
Re: O Poder do Machado de Xangô (1976)
« Resposta #1 em: Sábado, 07 de Setembro, 2013 - 02h23 »
Download VHSrip aqui
"Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta."  Carl G. Jung

Projetos:
docsprimus (Blog especializado em documentários)
Grandes Livros (Canal do Youtube)
Coleção 70º Aniversário 2ª Guerra Mundial (Canal do Youtube)
docsprimus documentários (Canal do Youtube)
docsprimus documentários 2 (Canal do Youtube)
docsprimus documentários 3 (Canal do Youtube)
Página no Facebook

Etiquetas: