Autor Tópico: Curso Livre de Humanidades Filosofia ()  (Lido 4730 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

pp1058

  • br

  • Registo: 23 Jun, 2011
  • Membro: 22299
  • Mensagens: 475
  • Tópicos: 236

  • : 0
  • : 0

Curso Livre de Humanidades Filosofia ()
« em: Quarta, 09 de Outubro, 2013 - 23h06 »
Curso Livre de Humanidades Filosofia



[imdb]

Citação
Um debate Aristotélico sobre Agostinho
Com José Carlos Estevão. Prof. Dr. Filosofia Medieval / USP.

Uma Reflexão sobre o Pensamento Moderno
Com Franklin Leopoldo e Silva. Prof. Dr. Filosofia Moderna e Contemporânea / USP.

A Bela morte e a boa morte
Com Rachel Gazolla de Andrade. Prof Dr. Filosofia PUC SP.

A paixão pelo conhecimento
Com Renato Janine Ribeiro. Prof Dr. Ética e Filosofia Política / USP.

Galileu e o diálogo sobre as duas novas ciências
Com Pablo Rubén Mariconda. Prof. Dr. Teoria do Conhecimento e Filosofia da Ciência/USP

A Filosofia das coisas Divinas e a Filosofia das coisas humanas
Com Marcelo Perine. Prof Dr. Filosofia / PUC SP.

Agostinho e a Cidade de Deus
Com Moacyr Novaes. Prof. Dr. Filosofia Medieval / USP.

Maquiavel. O Nascimento do Realismo Político Moderno
Com Newton Bignotto. Prof. Dr. Filosofia Política / UFMG.

Pré-História da Revolução Científica do Século XVII
Com Carlos Arthur Nascimento. Prof. Dr. Filosofia / PUC SP.

Empirismo e ceticismo
Roberto Bolzani. Doutorado em Filosofia. Universidade de São Paulo, USP.

Empirismo e ceticismo
Oswaldo Porchat. É professor emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.

Friderich Nietzsche
Sacarlett Marton é professora de história da filosofia contemporânea na Universidade de São Paulo.

Schopenhauer
Maria Lucia Mello e Oliveira Cacciola. Doutorado em Filosofia. Universidade de São Paulo, USP, Brasil.


























Não é um link válido %s
"O que nós queremos, o que não gostamos, o que pensamos, o que sentimos: tudo é impermanente. As palavras de elogios ou críticas são impermanentes. Todas vêm e vão. Se entendermos isso, não vamos ficar tão desorientados com os dramas da vida cotidiana."
Chagdud Tulku Rinpoche

doro_boy

  • Releaser
  • Uploader
  • Postador de Legendas
  • 00

  • Registo: 23 Dez, 2008
  • Membro: 3194
  • Mensagens: 3 438
  • Tópicos: 665

  • : 0
  • : 5

    • .: docsprimus :.
Re: Curso Livre de Humanidades Filosofia ()
« Resposta #1 em: Quinta, 10 de Outubro, 2013 - 02h43 »
Muito bom, obrigado.
"Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta."  Carl G. Jung

Projetos:
docsprimus (Blog especializado em documentários)
Grandes Livros (Canal do Youtube)
Coleção 70º Aniversário 2ª Guerra Mundial (Canal do Youtube)
docsprimus documentários (Canal do Youtube)
docsprimus documentários 2 (Canal do Youtube)
docsprimus documentários 3 (Canal do Youtube)
Página no Facebook

pp1058

  • br

  • Registo: 23 Jun, 2011
  • Membro: 22299
  • Mensagens: 475
  • Tópicos: 236

  • : 0
  • : 0

Re: Curso Livre de Humanidades Filosofia ()
« Resposta #2 em: Quinta, 10 de Outubro, 2013 - 04h46 »
Curso Livre de Humanidades Filosofia

A FILOSOFIA DAS COISAS DIVINAS E AS FILOSOFIA DAS COISAS HUMANAS
Marcelo Perine percorre na História da Filosofia temas como a tradição mitológico-poética, a gênese dos deuses, a herança teológica, a idéia de ordem do mundo e a descoberta da razão. Em que consiste a idéia do Bem? Para responder a esta pergunta, ele irá analisar a revolução cultural operada pela atuação de Sócrates e dos Sofistas, até chegar em Platão e Aristóteles, cujas filosofias se contrapõe e divergem.
Marcelo Perine, é Doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma (1986), e Professor da PUC-SP.

A BELA MORTE E A BOA MORTE
Rachel Gazzola discute a diferença entre a bela e a boa morte, de um lado, e entre o pensamento mítico-filosófico, de outro; e quais as diferenças tomadas nas reflexões sobre esse tema, no sentido do ideal ético-estético e do ideal ético-político.
Rachel GazzolaRachel Gazolla de Andrade é professora titular do Departamento de Filosofia da Faculdade de Comunicação e Filosofia da PUC-SP.

O CETICISMO EMPÍRICO DOS GREGOS
Oswaldo Porchat aborda o sentido dos termos Empirismo, Racionalismo e Ceticismo. Na opinião dele, o empirismo cético antigo pode oferecer parâmetros adequados para nosso posicionamento crítico, em face da problemática filosófica contemporânea e facilitar uma postura antidogmática.
Oswaldo Porchat Pereira graduou-se em Letras Clássicas pela USP e em Filosofia pela Université de Rennes (França). É Doutor em Filosofia e fez pós-doutorado na Universidade de Berkeley (Califórnia) e na London School of Economics and Political Sciences.

O CETICISMO EMPÍRICO
HUME O SONO DOGMÁTICO DA RAZÃO

Roberto Bolzani fala sobre o pensamento de David Hume (1711-1776). Ao analisar a obra Investigação sobre o Entendimento Humano, com enfoque na relação entre ceticismo e empirismo, ele mostra que apesar dos 2000 anos que separam o ceticismo grego do filósofo escocês, há muito em comum nessas duas filosofias. Roberto Bolzani Filho é Doutor em Filosofia, Professor de História da Filosofia Antiga na USP e autor de “Ceticismo e Empirismo” e “A Epokhé Cética e Seus Pressupostos”.

UM DEBATE ARISTOTÉLICO SOBRE SANTO AGOSTINHO
Um Debate Aristotélico Sobre Agostinho: Santo Agostinho foi o grande mestre da Idade Média. Sua obra foi o fio condutor da retomada da produção filosófica a partir do século XII. Para José Carlos Estevão, a obra de Agostinho leva a possibilidades muitas vezes afastadas da letra dos seus textos. Segundo o palestrante, a recepção de Aristóteles impõe um debate filosófico sobre a estrutura metafísica do homem.

AGOSTINHO E A CIDADE DE DEUS
Agostinho e a Cidade de Deus: Moacyr Novaes mostra a elaboração feita por Santo Agostinho, a partir de um tema herdado do neoplatonismo, o do retorno da alma, em que se faz necessária uma análise das relações entre o corpo e a alma e, particularmente, das paixões. O palestrante sugere como, a partir da concepção agostiniana de uma economia da salvação, a fortuna poderá ser apreciada na importância do tema da “história”.

MAQUIAVEL: O NASCIMENTO DO REALISMO POLÍTICO MODERNO
Maquiavel é usualmente associado à criação da ciência política moderna. Para Bignotto, o autor florentino foi um grande inovador do pensamento político, mas deixa na sombra outras questões que são abordadas nesta palestra, como o debate com os clássicos e os humanistas, e o significado do chamado realismo político. Newton Bignotto é Doutor em Filosofia pela École des Hautes Études en Sciences Sociales, de Paris, e professor de Filosofia Política e de História da Filosofia do Renascimento, e coordenador do curso de pós-graduação da Universidade Federal de Minas Gerais.

UMA REFLEXÃO SOBRE O PENSAMENTO MODERNO
Descartes e Kant são o ponto de partida de Franklin Leopoldo para abordar as linhas de reflexão que do pensamento moderno. Em Descartes, ele busca a crítica ao estilo tradicional de conhecimento da filosofia medieval e a reivindica a autonomia da razão subjetiva. Com Kant, analisa a subjetividade e a objetividade e a forma e a universalidade da racionalidade prática. Franklin Leopoldo e Silva é Professor de História da Filosofia Moderna e Contemporânea da USP e autor de “Descartes – A Metafísica da Modernidade”, entre outros.

INÍCIOS DA IDADE MODERNA
PRÉ-HISTÓRIA DA REVOLUÇÃO CIENTÍFICA DO SÉCULO XVII

Carlos Arthur analisa a reflexão que existe desde a Grécia antiga sobre o tratamento matemático das realidades do mundo material, sobre o estatuto que veio a ser chamado por Tomás de Aquino de “ciências intermediárias” entre a física e a matemática. Carlos Arthur Ribeiro do Nascimento é doutor em Filosofia e PHD em Sciences Medievales, pelo Instituto de Estudos Medievais da Universidade de Montreal. É Professor Titular de Filosofia da UNICAMP e Professor Assistente Doutor do departamento de filosofia da PUC-SP.

GALILEU E O DIÁLOGO SOBRE AS DUAS NOVAS CIÊNCIAS
Qual a grande novidade introduzida por Galileu, que justifica o destaque que se deu à sua obra na transformação da visão de mundo moderno?
A análise da obra de Galileu feita por Pablo Mariconda leva em conta o contexto intelectual da época, abrangendo as contribuições de Copérnico, Kepler, Giordano Bruno, entre outros. Pablo Rubén Mariconda é Professor de Teoria do Conhecimento e Filosofia da Ciência na USP. É editor da revista “Scientiae Studia” e das duas principais obras de Galileu: “Diálogo sobre os Dois Máximos Sistemas do Mundo Ptolomaico e Copernicano” e “Duas Novas Ciências”.

SCHOPENHAUER – CRÍTICO DE KANT
Maria Lúcia expõe a leitura do filósofo alemão Arthur Schopenhauer (1788-1860) sobre o idealismo transcendental de Immanuel Kant (1724-1804). O ponto central dessa interpretação está na questão da razão e da vontade. Schopenhauer, ao dar a primazia à vontade, faz objeções à razão prática kantiana e à moral racional fundamentada num sentimento. O fio condutor de sua crítica fixa-se na predominância, no pensamento de Kant, do abstrato sobre o intuitivo.

NIETZSCHE: O FILÓSOFO DA SUSPEITA
Com a frase “Deus está morto”, Friedrich Nietzsche (1844-1900) resumiu 20 séculos da História Ocidental. Contra o dualismo metafísico – que opõe a existência de outro mundo a esse em que nos achamos aqui e agora – e cuja falência acarretou a sensação de que “nada tem sentido”. O pensamento de Nietzsche coloca em cheque nossa maneira habitual de pensar, sentir e agir, nossa forma costumeira de estar no mundo. Ao anunciar a morte de Deus, ele torna possível repensar as relações entre homem e mundo. Scarlett Marton é professora de filosofia da USP.

OS CAMINHOS DA FILOSOFIA - PAIXÃO PELO CONHECIMENTO
Nesta primeira aula do ciclo de palestras, Renato Janine percorre um pouco os caminhos da filosofia e compara a filosofia com outras áreas do conhecimento, que também lidam com a busca do saber. Com exceção da matemática, que vem da antiguidade, a maior parte do que chamamos de ciência hoje, nasceram do âmbito da filosofia e começam a partir dos séculos XVI e XVII: Física, química, biologia, sociologia. Renato Janine vai discutir as diferenças entre filosofia e ciência, como também pontos em comum, e como pensamento e razão são abordados de formas diferenciadas ao longo da história.
Renato Janine Ribeiro é Professor Titular de Ética e Filosofia Política na Universidade de São Paulo (USP). Tanto a sua tese de mestrado, na Sorbonne, como a de doutorado, na USP, foram dedicadas ao filósofo inglês Thomas Hobbes. Escreveu, entre outros, “A Marca de Leviatã”, “Ao Leitor Sem Medo”, e “A Última Razão dos Reis”. Foi vencedor do Prêmio Jabuti 2001, na área de ensaios e ciências humanas
"O que nós queremos, o que não gostamos, o que pensamos, o que sentimos: tudo é impermanente. As palavras de elogios ou críticas são impermanentes. Todas vêm e vão. Se entendermos isso, não vamos ficar tão desorientados com os dramas da vida cotidiana."
Chagdud Tulku Rinpoche

nagol

  • br

  • Registo: 20 Ago, 2008
  • Membro: 1864
  • Mensagens: 3 639
  • Tópicos: 421

  • : 3
  • : 6

  • Foto da criadora do site Sci-Hub
Re: Curso Livre de Humanidades Filosofia ()
« Resposta #3 em: Sábado, 26 de Outubro, 2013 - 06h22 »
I Curso Livre de Humanidades - Filosofia - Iluminismo e Ilustração

A Enciclopédia, uma nova organização do saber - Maria das Graças investiga os motivos e o contexto intelectual que deram origem à organização da Enciclopédia por parte de Diderot e D´Alembert. Por que se considerou necessária a compilação dos saberes nas diversas áreas? Qual a relação com o Dicionário Histórico e Crítico de Pierre Bayle? Por que o século XVIII decidiu organizar os seus saberes na forma de uma Enciclopédia?
http://www.youtube.com/watch?v=R7puifY1NPU#ws

A Filosofia no Palco - O teatro foi objeto de inflamadas polêmicas no século XVIII, entre autores como Voltaire, Rousseau e Diderot. A separação dos três maiores filósofos franceses encerrava inúmeras questões, como as divergências sobre o caráter pedagógico do teatro ou a relação entre razão, paixão e moral.
http://www.youtube.com/watch?v=BYAJImU49N0#ws
docsPT no Telegram https://t.me/docsPT

{Para quem não conhece, é tipo um grupo do Whatsapp, só que bem melhor e mais seguro. Pode ser usado com apelidos também. É um chat, sala de bate papo com os membros do fórum que quiserem participar e gostam de documentários}

pp1058

  • br

  • Registo: 23 Jun, 2011
  • Membro: 22299
  • Mensagens: 475
  • Tópicos: 236

  • : 0
  • : 0

Re: Curso Livre de Humanidades Filosofia ()
« Resposta #4 em: Domingo, 27 de Outubro, 2013 - 17h15 »
"O que nós queremos, o que não gostamos, o que pensamos, o que sentimos: tudo é impermanente. As palavras de elogios ou críticas são impermanentes. Todas vêm e vão. Se entendermos isso, não vamos ficar tão desorientados com os dramas da vida cotidiana."
Chagdud Tulku Rinpoche

pp1058

  • br

  • Registo: 23 Jun, 2011
  • Membro: 22299
  • Mensagens: 475
  • Tópicos: 236

  • : 0
  • : 0

Re: Curso Livre de Humanidades Filosofia ()
« Resposta #5 em: Sábado, 02 de Novembro, 2013 - 19h29 »
As duas palestras estavam juntas, agora separadas:

http://www.youtube.com/watch?v=p4V0qGNPyPk#ws

SCHOPENHAUER – CRÍTICO DE KANT
Maria Lúcia expõe a leitura do filósofo alemão Arthur Schopenhauer (1788-1860) sobre o idealismo transcendental de Immanuel Kant (1724-1804). O ponto central dessa interpretação está na questão da razão e da vontade. Schopenhauer, ao dar a primazia à vontade, faz objeções à razão prática kantiana e à moral racional fundamentada num sentimento. O fio condutor de sua crítica fixa-se na predominância, no pensamento de Kant, do abstrato sobre o intuitivo.

http://www.youtube.com/watch?v=D8GzHyPY-hI#ws

NIETZSCHE: O FILÓSOFO DA SUSPEITA
Com a frase “Deus está morto”, Friedrich Nietzsche (1844-1900) resumiu 20 séculos da História Ocidental. Contra o dualismo metafísico – que opõe a existência de outro mundo a esse em que nos achamos aqui e agora – e cuja falência acarretou a sensação de que “nada tem sentido”. O pensamento de Nietzsche coloca em cheque nossa maneira habitual de pensar, sentir e agir, nossa forma costumeira de estar no mundo. Ao anunciar a morte de Deus, ele torna possível repensar as relações entre homem e mundo. Scarlett Marton é professora de filosofia da USP.
"O que nós queremos, o que não gostamos, o que pensamos, o que sentimos: tudo é impermanente. As palavras de elogios ou críticas são impermanentes. Todas vêm e vão. Se entendermos isso, não vamos ficar tão desorientados com os dramas da vida cotidiana."
Chagdud Tulku Rinpoche