Autor Tópico: A Indústria Cultural Hoje (2013)  (Lido 1086 vezes)

0 Membros e 1 visitante estão a ver este tópico.

pp1058

  • br

  • Registo: 23 Jun, 2011
  • Membro: 22299
  • Mensagens: 475
  • Tópicos: 236

  • : 0
  • : 0

A Indústria Cultural Hoje (2013)
« em: Segunda, 11 de Novembro, 2013 - 23h28 »
A Indústria Cultural Hoje



[imdb]

Citar
O professor de teoria literária Fabio Akcelrud Durão, autor e organizador de "A indústria cultural hoje" (http://bit.ly/HhwnEM), foi o convidado do programa "Diálogo sem fronteira", para discutir a atualidade do conceito de "indústria cultural", cunhado por Theodor Adorno e Max Horkheimer em 1947. A matéria integra a programação da RTV Unicamp e tem apresentação do Prof. Pedro Paulo Funari.

"A Indústria cultural hoje", é organizado por Fábio Durão em conjunto com Antonio Zuin e Alexandre Fernandes Vaz. Mais do que atualizar o conceito desenvolvido pelos pensadores da Escola de Frankfurt, o livro pretende investigá-lo a partir do efeito do tempo. Trata-se de uma tentativa de mediar o arcabouço original da Teoria Crítica e a realidade atual de forma dialética.

Com ensaios de Wolfgang Leo Maar, Robert Hullot-Kentor, Jorge de Almeida, Rodrigo Duarte, entre outros, o livro problematiza a forma pela qual fatores como a difusão acelerada da informação, contribuem para um efeito ambíguo sobre os próprios conceitos de "industria cultural" e "sociedade do espetáculo" (Debord).

Em muitos contextos, o termo cunhado por Adorno e Horkheimer aparece totalmente desvinculado de suas reflexões, e é nesse espaço que os artigos de "A Indústria cultural hoje" se inserem, ao manter o questionamento sobre a atualidade do conceito de indústria cultural.

http://www.youtube.com/watch?v=aTLZq7NcVq0#
« Última modificação: Domingo, 17 de Novembro, 2013 - 23h45 por FragaCampos »
"O que nós queremos, o que não gostamos, o que pensamos, o que sentimos: tudo é impermanente. As palavras de elogios ou críticas são impermanentes. Todas vêm e vão. Se entendermos isso, não vamos ficar tão desorientados com os dramas da vida cotidiana."
Chagdud Tulku Rinpoche